1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Sete são presos após protestos contra morte no Missouri

Estadão Conteúdo

17 Agosto 2014 | 09h 09

A raiva em razão da morte de um adolescente negro por um policial branco deu início a mais uma manhã de banho de sangue e caos após manifestantes e policiais entrarem em confronto na cidade norte-americana de Ferguson, no Missouri.

No momento em que a fumaça e o gás lacrimogêneo acabaram, uma pessoa foi dada como gravemente ferida e tinha recebido tiros. Sete manifestantes foram presos, disse a polícia numa coletiva de imprensa durante a madrugada deste domingo.

A polícia declarou que não sabia quem foi o responsável pelos tiros, o que está sendo investigado. Não foram divulgaram detalhes sobre a vítima e a hipótese de que o tiroteio tenha envolvido policiais foi dada como remota.

A noite de sábado marcou uma semana desde que o policial de Ferguson, Darren Wilson, atirou e matou o jovem de 18 anos Michael Brown. A morte deu início a tensão racial no subúrbio de maioria negra e levou a diversos enfrentamentos entre policiais e manifestantes.

O governador do Missouri, Jay Nixon, declarou estado de emergência em Ferguson. O anúncio de um toque de recolher a partir da meia noite, anunciado no sábado, veio depois de novas tensões na cidade.

Segundo o capitão da polícia Ron Johnson, o encontro violento na noite de sábado para domingo não ocorreu porque as autoridades estavam tentando implementar o toque de recolher que vai até as 5 da manhã no horário local. Em vez disso, ele disse que times da SWAT só agiram depois que houve informação sobre problemas.

As multidões que ocupavam a rua diminuíram consideravelmente na noite de sábado em meio a fortes chuvas e pedidos da polícia para que se respeitasse o toque de recolher. Enquanto manifestantes gritavam "sem justiça, sem toque de recolher", a polícia usou alto-falantes para avisar que eles estavam violando a medida. Fonte: Associated Press e Dow Jones Newswires.