1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Seul suspenderá operações no complexo industrial de Kaesong

- Atualizado: 10 Fevereiro 2016 | 10h 24

Símbolo da reconciliação entre os países da península coreana, complexo localizado no lado norte-coreano da fronteira é um das principais fontes de arrecadação de divisas de Pyongyang

SEUL - A Coreia do Sul vai suspender as operações no complexo industrial intercoreano de Kaesong, em resposta ao teste nuclear e ao lançamento de um foguete da Coreia do Norte, anunciou o governo de Seul. Esta é a primeira vez que o governo de Seul suspende as operações em Kaesong desde a abertura em 2004 do complexo, símbolo da reconciliação entre os países da península coreana.

"Decidimos interromper todas as operações no complexo de Kaesong para que o Norte não utilize nossos investimentos para financiar seu desenvolvimento nuclear e balístico", afirmou o ministro da Unificação, Hong Yong-Pyo.

Soldado sul-coreano instala barreira na entrada do complexo industrial de Kaesong

Soldado sul-coreano instala barreira na entrada do complexo industrial de Kaesong

O complexo, que fica do lado norte-coreano da fronteira, permitiu que a isolada e empobrecida Coreia do Norte arrecadasse divisas. Kaesong abriga 124 empresas sul-coreanas e proporciona emprego a quase 53 mil norte-coreanos.

O governo e as empresas sul-coreanas investiram no projeto ao longo dos anos US$ 837 milhões, de acordo com Hong. O ministro afirmou que o dinheiro foi utilizado por Pyongyang para executar seus testes nucleares, unanimemente condenados pela comunidade internacional.

O governo sul-coreano também anunciou que intensificará a propaganda sonora na fronteira com a Coreia do Norte, em resposta ao foguete lançado no domingo pelo regime comunista.

Após o teste nuclear norte-coreano de 6 de janeiro, a Coreia do Sul decidiu reativar os potentes alto-falantes que divulgam em volume máximo uma programação que inclui música pop, boletins informativos e mensagens de propaganda.

"Instalamos novos alto-falantes e difundimos programas mais longos a cada dia desde então", informou o ministério sul-coreano da Defesa em referência ao lançamento de domingo.

De acordo com a imprensa estatal norte-coreana, o foguete transportava um satélite para observar a Terra, mas a Coreia do Sul acredita que o lançamento foi na realidade um teste de míssil balístico. 

Japão. Tóquio aprovou nesta quarta-feira a ampliação de suas sanções unilaterais impostas à Coreia do Norte em resposta ao lançamento de um foguete no domingo. O ministro porta-voz do Executivo japonês, Yoshihide Suga, anunciou a medida durante um encontro do Conselho de Segurança Nacional presidido pelo primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe.

Entre as sanções está a limitação as viagens entre os dois países e a proibição da entrada de embarcações norte-coreanas nos portos japoneses.

O Japão, que considera o recente lançamento uma "ameaça direta e grave" para sua segurança e um "prejuízo para a paz no nordeste da Ásia e da comunidade internacional", realizará além disso um estrito controle das transferências de dinheiro para Coreia do Norte, indicou em comunicado o Executivo. / AFP, REUTERS e EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX