Sharon anuncia ampliação de ofensiva em Gaza

O primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, disse que seu país ampliará a ofensiva na Faixa de Gaza que, iniciada na quinta-feira, já se tornou a mais sangrenta dos últimos quatro anos. Tropas permanecerão por tempo indefinido na área, com o objetivo de impedir o disparo de foguetes contra cidades israelenses. Sharon se disse determinado a deter o fogo de foguetes contra cidades de Israel e colônias israelenses dentro de Gaza. Outras autoridades informam que a presença militar israelense na área não se tornará permanente. Neste domingo, mais seis palestinos foram mortos. Após uma reunião de emergência, parlamentares palestinos emitiram declaração pedindo que os radicais parem de usar foguetes contra Israel. "O Conselho Legislativo Palestino, embora reafirmando o direito de nosso povo de resistir à horrenda ocupação israelense, pede a todas as facções que ponham essa resistência em um quadro estratégico consistente com os altos interesses palestinos". Mais de 2.000 soldados israelenses foram enviados ao norte da Faixa de Gaza depois que um foguete palestino matou duas crianças de idade pré-escolar na quinta-feira. Desde então 57 palestinos e três outros israelenses perderam a vida. Escavadeiras demoliram fileiras de casas, arrancaram pomares e destruíram estradas. Representantes da ONU dizem que dezenas de palestinos tornaram-se sem-teto.

Agencia Estado,

03 Outubro 2004 | 13h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.