AFP PHOTO / Behrouz MEHRI
AFP PHOTO / Behrouz MEHRI

Shinzo Abe enfrenta novo escândalo e descontentamento da população aumenta

Desta vez, o premiê japonês é acusado de influenciar as decisões do governo a favor de um amigo na criação de uma nova faculdade de veterinária; popularidade do líder caiu nas últimas semanas e chegou a 31%

O Estado de S.Paulo

16 Abril 2018 | 14h51

TÓQUIO - O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, enfrenta um novo escândalo de favorecimento e lida com o descontentamento crescente da opinião pública.

+ Shinzo Abe nega seu envolvimento e de sua mulher em caso de corrupção

+ Dossiê aponta falsificação de documentos em caso que envolve Shinzo Abe

Já enfraquecido por acusações sobre uma operação imobiliária que ressurgiram em março, Abe enfrenta agora a suspeita de que influenciou as decisões do governo a favor de um amigo na criação de uma nova faculdade de veterinária. Um documento oficial de 2015 circulou esta semana e descreve o estabelecimento como um "caso que diz respeito ao primeiro-ministro".

+ Para premiê, Japão enfrenta maior situação de perigo desde a 2.ª Guerra em razão de Pyongyang

+ Imperador do Japão vai abdicar do cargo após 200 anos sem renúncias na monarquia

A popularidade de Shinzo Abe caiu nas últimas semanas e chegou a apenas 31%, segundo uma pesquisa publicada pelo jornal Asahi. Outra consulta, da agência Kyodo, mostra uma redução de 5,4 pontos porcentuais (37%), um dos piores índices desde que o primeiro-ministro voltou ao poder em 2012.

No sábado, milhares de manifestantes se reuniram diante do Parlamento e pediram a renúncia do premiê, uma manifestação pouco comum no Japão.

O outro escândalo envolve um lote que teria sido vendido por 10% do valor de mercado em 2016 ao administrador de uma creche nacionalista. Uma escola do ensino básico deveria ser construída no local e o diretor do estabelecimento decidiu transformar a mulher de Abe em diretora honorária. O caso retornou às manchetes depois da revelação de que o Ministério da Defesa falsificou os documentos relacionados à operação.

Shinzo Abe nega qualquer envolvimento nos dois casos, mas esses problemas colocam em dúvida suas possibilidades de vencer a eleição para a liderança de seu partido, prevista para setembro. / AFP

Relembre: Vitória da coalizão de Abe no Japão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.