Signatários de tratado concordam em ampliar desarmamento nuclear

Conferência em 2012 deve discutir Oriente Médio sem armas nucleares; menção a Israel gera polêmica.

BBC Brasil, BBC

29 Maio 2010 | 09h09

As 189 nações signatárias do tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP) anunciaram nesta sexta-feira uma declaração conjunta na qual países membros possuidores de armas nucleares devem reduzir seus arsenais.

O documento de 28 páginas, assinado durante um encontro na Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, diz também que estes países, EUA, França, Rússia, China e Grã-Bretanha, se comprometem a adotar medidas para diminuir a importância de armamentos atômicos, relatando seu progresso em 2014.

O texto fala ainda que a organização se compromete a realizar uma conferência em 2012 com todos os países do Oriente Médio - incluindo o Irã - para discutir "um Oriente Médio livre de armas nucleares e outras armas de destruição em massa".

Israel

Os países presentes na conferência pediram ainda que Israel assine o TNP. Acredita-se que Israel tenha um arsenal nuclear não-declarado.

Paquistão, Índia e Coreia do Norte, que declaram ter armas nucleares, também não são signatários do tratado.

Segundo analistas, a inclusão da menção a Israel no documento, uma iniciativa dos países árabes, procura pressionar o país a abrir mão de seu possível arsenal.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, apoiou o documento, mas disse se opor "fortemente" à menção única a Israel.

Segundo o governo americano, isso poderia prejudicar as tentativas de convencer Israel a comparecer à conferência de 2012.

O Irã pressionou para que os cinco países do tratado com arsenais nucleares reconhecidos (Estados Unidos, China, Rússia, França e Grã-Bretanha) estabelecessem um prazo para o desmantelamento de seus arsenais atômicos, mas ao final concordou com o texto assinado pelas 189 nações.

Analistas dizem que o TNP corria o risco de perder credibilidade se, neste encontro de um mês em Nova York, não tivesse chegado a um acordo.

Em sua última conferência, em 2005, o grupo não conseguiu chegar a uma declaração conjunta. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.