Síria e Irã oferecem apoio militar ao exército do Líbano

O ministro da Defesa do Líbano, Elias Murr, disse hoje que o país rejeitará qualquer assistência militar dos Estados Unidos se ela vier acompanhada da condição de que as armas não serão usadas contra Israel.

AE-AP, COM DOW JONES, Agência Estado

11 Agosto 2010 | 16h33

Murr comentava a decisão de um congressista norte-americano de suspender US$ 100 milhões de ajuda, em meio a preocupações de que as armas poderiam ser usadas contra Israel e que o grupo xiita Hezbollah possa ter influência sobre o Exército do Líbano. Os governos da Síria e do Irã ofereceram hoje apoio ao exército libanês.

O presidente da Síria, Bashar Assad, teve uma reunião com o ministro das Relações Exteriores do Irã, Manouchehr Mottaki, na cidade síria de Latakia, na qual ambos discutiram a situação no Líbano "após a agressão israelense contra a soberania libanesa", disse um comunicado divulgado pela Sana, agência estatal de notícias da Síria.

Ambos reforçaram o "apoio ao Líbano face a essas agressões", disse a Sana, referindo-se a choques na fronteira entre Israel e Líbano, no dia 3 de agosto, que deixaram um oficial israelense, dois soldados libaneses e um jornalista libanês mortos.

O embaixador do Irã em Beirute, Ghazanfar Roknabadi, disse após o incidente, em reunião com o comandante do exército libanês, Jean Kahwaji, que o Irã está pronto a ajudar as forças armadas libanesas, de acordo com a Irna, agência oficial de notícias iraniana.

Murr disse hoje que aqueles que desejam ajudar o exército libanês, mas colocam condições sobre como as armas e o dinheiro serão usados, deveriam guardar o dinheiro no próprio bolso. Ele também afirmou que o soldado libanês que disparou na fronteira com Israel, no dia 3, agiu sob ordens.

Mais conteúdo sobre:
Síria Irã ajuda militar Líbano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.