AFP via KCNA
AFP via KCNA

Soldado norte-coreano deserta para Coreia do Sul

Deserção ocorre pouco mais de um mês após a fuga espetacular de outro militar, que no dia 13 de novembro atravessou a fronteira

O Estado de S.Paulo

21 Dezembro 2017 | 12h42

SEUL  - Um militar norte-coreano entrou na Coreia do Sul nesta quinta-feira,21, ao atravessar a zona desmilitarizada (DMZ) que divide a península, informou o governo sul-coreano, um mês depois da depois da espetacular deserção de outro soldado, sob os tiros do Exército da Coreia do Norte.

+ Retrospectiva: Desafios de Kim Jong-un a Trump elevam tensão na Península Coreana

Os soldados sul-coreanos observaram o militar, "de patente não muito elevada", utilizando equipamentos de vigilância no momento em que ele cruzava, em meio à neblina, a DMZ por sua parte central. Ele conseguiu chegar a um posto de vigilância, segundo o ministério sul-coreano da Defesa. 

Neste momento não foram registrados tiros, mas 90 minutos depois as tropas norte-coreanas dispararam quase 20 vezes como advertência para dissuadir os soldados que se aproximavam da fronteira, ao que parece em busca do soldado fugitivo.  Mais tarde foram ouvidas duas séries de disparos no Norte, segundo um porta-voz do ministério. 

A deserção ocorre pouco mais de um mês após a fuga espetacular de outro militar, que no dia 13 de novembro atravessou a fronteira na zona da aldeia de Panmunjom, sob fogo dos guardas norte-coreanos, e chegou gravemente ferido ao Sul.

Nas imagens registradas pelas câmeras de segurança no mês passado, o desertor chegou à DMZ a bordo de um veículo 4x4 a uma zona de demarcação fortemente vigiada e atravessou correndo para o Sul, enquanto era alvo de dezenas de disparos de militares do Norte. Ele conseguiu chegar a um posto de vigilância, onde foi ajudado por soldados sul-coreanos. Estava ferido após receber pelo menos quatro tiros.

Este desertor, Oh Chong-Song, de 24 anos, está hospitalizado desde então na Coreia do Sul. Ele passou por várias cirurgias em um hospital universitário de Seul e foi transferido para um hospital militar, segundo a agência Yonhap. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.