1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Soldados ucranianos retomam boa parte de Luhansk

Estadão Conteúdo

20 Agosto 2014 | 18h 06

Com a conquista, os soldados ficam mais próximos de fechar o cerco em volta de Donetsk, a maior cidade em poder dos separatistas

Após dias de conflitos nas ruas e semanas de bombardeios, as tropas ucranianas alcançaram um avanço significativo para dentro do território controlado por insurgentes nesta quarta-feira, retomando o controle de boa parte da fortaleza rebelde de Luhansk. Com a conquista, os soldados ficam mais próximos de fechar o cerco em volta de Donetsk, a maior cidade em poder dos separatistas.

Valentyn Ogirenko/Reuters
As tropas da Ucrânia têm tentado há semanas expulsar os rebeldes de Luhansk e de Donetsk

Autoridades de Luhansk relataram combates ainda em curso entre os dois lados. No começo da noite (no horário local), as forças do governo retomaram o controle de "partes significativas" da cidade, afirmou o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional ucraniano, Andriy Lysenko.

Um avião SU-25 da Ucrânia também foi abatido nas proximidades da cidade, disse Lysenko à rede de TV 112. Ele afirmou que a localização do piloto ainda era desconhecida. Enquanto isso, na manhã desta quarta-feira, mísseis atingiram a área residencial de Donetsk, incluindo o subúrbio de Makiivka. Mais foguetes foram lançados durante a tarde.

O avanço do Exército ucraniano contra os militantes pró-Rússia ocorre em um momento de número de mortes crescente devido às ofensivas continuadas da artilharia. Ao menos 52 mortes foram registradas na quarta-feira, além de 64 pessoas feridas - e devido aos perigos da zona de conflito no leste da Ucrânia, nenhuma morte de Luhansk foi relatada, o que poderia significar que o número de óbitos é ainda maior.

As tropas da Ucrânia têm tentado há semanas expulsar os rebeldes de Luhansk e de Donetsk, cidade com uma população de um milhão de habitantes que encolheu em um terço com a fuga de moradores assustados. Nos últimos dias, vários municípios vizinhos de Donetsk foram atingidos pela artilharia e o conflito nas proximidades da cidade se tornaram mais intensos.

O governo de Kiev também promove esforços políticos para resolver o conflito. O presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, vai se encontrar no final de semana com a chanceler alemã, Angela Merkel, em Kiev, antes de se reunir com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, em Minsk, capital da Bielo-Rússia, na semana que vem.

O confronto já matou mais de duas mil pessoas e deixou outras 340 mil desabrigadas de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU). A crise começou no meio de abril, um mês após a Rússia anexar a península ucraniana da Crimeia. Fonte: Associated Press.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo