Marinha Argentina, via AP
Marinha Argentina, via AP

Submarino teve incidente anterior em duto de ventilação, diz governo argentino

Comandante do ARA San Juan teria 'dado conta' do problema e pedido que quando no submarino fosse revisado no primeiro semestre de 2018 a questão fosse resolvida

O Estado de S.Paulo

05 Dezembro 2017 | 12h04

BUENOS AIRES - O ministro da Defesa da Argentina, Oscar Aguad, disse na noite de segunda-feira, 4, que o submarino ARA San Juan, que afundou no Atlântico Sul em 15 de novembro, registrou um incidente similar à entrada de água nas baterias que provocou um incêndio a bordo antes de a embarcação desaparecer. 

+Macri diz que houve corrupção na manutenção do ARA San Juan na gestão de Cristina

Segundo Aguad, antes da viagem que o submarino faria de Ushuaia a Mar del Plata, o ARA San Juan teve um vazamento de água no sistema de ventilação. "Com a diferença que nesse caso a água não chegou até as baterias", disse ele ao canal TN.

Ainda de acordo com o ministro o comandante do submarino “deu conta” do problema e pediu que quando no submarino fosse revisado no primeiro semestre de 2018  essa questão fosse cuidada.

+ Buscas a submarino ocorrem em ponto a 950 metros de profundidade

Questionado se o submarino estava em perfeito estado no dia 13 de novembro quando deixou o porto austral de Ushuaia para sua base da cidade de Mar del Plata, quando desapareceu, Aguad respondeu que "as evidências dizem que sim".

+Macri anuncia corte de 20% em cargos comissionados na Argentina

No entanto, ele afirmou que um dos aspectos que deveriam ser investigado pela Justiça é se houve erros por parte da Marinha quando na noite anterior relatou sua localização pela última vez, o comandante do submarino alertou a seus superiores em terra que tinha entrado água através de um canal de ventilação, que vazou no compartimento das baterias elétricas e produziu um início de incêndio.

Segundo a Marinha, esse problema foi solucionado e o próprio comandante decidiu continuar com a viagem.

"É motivo de investigação. Determinar se o defeito era grave ou não era grave.Eu também confio no capitão, tudo o que falam da sua experiência", argumentou Aguad. / EFE

 

Mais conteúdo sobre:
Ushuaia submarino incêndio ARA San Juan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.