REUTERS/Jaime Saldarriaga
REUTERS/Jaime Saldarriaga

Suborno da Odebrecht abasteceu campanha presidencial de Santos, diz Procuradoria

Segundo o procurador-geral, um ex-congressista preso intermediou pagamentos que totalizaram US$ 1 milhão

O Estado de S. Paulo

07 Fevereiro 2017 | 21h42

BOGOTÁ - O procurador-geral da Colômbia, Néstor Humberto Martínez, afirmou que parte do suborno pago pela construtora brasileira Odebrecht terminou na campanha presidencial pela reeleição de Juan Manuel Santos em 2014. A informação foi divulgada nesta terça-feira pelo jornal colombiano El Tiempo a partir de relatório da investigação.

A Procuradoria sustenta que o dinheiro recebido pelo ex-congressista Otto Bula, atualmente preso, foi enviado para a campanha presidencial. Segundo a investigação, o ex-senador tramitou em 2014 dois depósitos para a Colômbia, totalizando US$ 1 milhão, cujo beneficiário final teria sido a campanha de Santos em 2014.

O chefe da campanha de Santos na ocasião, Roberto Prieto, emitiu comunicado no qual nega ter recebido dinheiro da companhia brasileira, também segundo El Tiempo. Prieto disse também que nem sequer conhece Bula.

Mais conteúdo sobre:
Colômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.