Suíços aprovam em referendo proibição de minaretes no país

Resultado parcial mostra que 57% votaram a favor da proposta que elimina a construção típica muçulmana.

BBC Brasil, BBC

29 Novembro 2009 | 13h06

Pouco mais de 57% dos eleitores da Suíça votaram, em um referendo realizado neste domingo, a favor da proibição da construção de minaretes no país, segundo a agência de notícias suíça ATS.

Com a apuração concluída em 25 dos 26 cantões suíços, o "sim" ganhou 57,05% dos votos.

A proposta havia sido apresentada pelo Partido do Povo (SVP), de direita, que tem maioria no Parlamento e argumenta que as torres das mesquitas são um sinal de "islamização" da Suíça.

Mas o governo suíço, do Partido Social-Democrático (SPS), havia feito nos últimos dias um apelo para que a população votasse contra a proibição.

'Símbolo político'

Estima-se que cerca de 4,5% da população suíça - ou 400 mil pessoas - seja de muçulmanos, muitos deles vindos da antiga Iugoslávia.

A Suíça tem mais de cem mesquitas e salas de oração muçulmanas, mas apenas quatro minaretes.

Em entrevista à BBC, o presidente da Associação das Organizações Muçulmanas de Zurique, Tamir Hadjipolu, disse que se a proibição for realmente implementada, a comunidade muçulmana da Suíça vai viver com medo.

"Isso vai provocar grandes problemas, porque já durante esta campanha, várias mesquitas foram atacadas - algo que nunca vivemos em 40 anos na Suíça", afirmou.

"Com este plebiscito, a islamofobia aumentou com muita intensidade", concluiu.

Mas Ulrich Schluer, parlamentar do SVP, rejeita as acusações de discriminação.

"Todo muçulmano é autorizado a se reunir com outros muçulmanos e ter uma religião juntos. Mas um minarete é um símbolo político. É um símbolo para introduzir, pouco a pouco, a lei Sharia na Suíça, paralelamente à legislação suíça, que é resultado da democracia suíça", disse ele à BBC.

Nos últimos anos, vários países europeus têm debatido seu relacionamento com o Islamismo e como integrar melhor as comunidades islâmicas. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.