EFE/EPA/JEON HEON-KYUN
EFE/EPA/JEON HEON-KYUN

Suspensão de testes nucleares por Pyongyang é 'avanço significativo', diz Coreia do Sul

Porta-voz da presidência sul-coreana disse que anúncio aumenta as perspectivas de conversas bem-sucedidas entre Seul, Pyongyang e Washington; Japão, por sua vez, reagiu com cautela e diz que o 'crucial' é saber como a decisão levará à desnuclearização da Península Coreana

O Estado de S.Paulo

21 Abril 2018 | 01h39

SEUL - O Escritório Presidencial da Coreia do Sul considerou o anúncio de suspensão de testes nucleares de Pyongyang como "um avanço significativo" pela desnuclearização da Península.

O porta-voz da presidência sul-coreana, Yoon Young-chan, disse em um comunicado que o anúncio vai aumentar as perspectivas para as conversas bem-sucedidas entre Seul, Pyongyang e Washington.

+++ Reino Unido avalia como 'positiva' a suspensão de testes nucleares na Coreia do Norte

Na próxima sexta-feira, 27, o ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un, deve se encontrar com o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, em um vilarejo na fronteira. A cúpula, um encontro raríssimo, tem como objetivo resolver o impasse nuclear.

+ Kim Jong-un cede em exigências para se desarmar, diz Seul

+ Coreias buscam acordo de paz após 65 anos

Um outro encontro entre Kim e o presidente dos EUA, Donald Trump, está previsto para o final de maio ou começo de junho.

Japão

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, reagiu com cautela ao anúncio da Coreia do Norte. Forte opositor de Pyongyang, o governo japonês comemorou o anúncio, mas fez ponderações. 

"O que é crucial aqui, no entanto, é como esse desenvolvimento levará ao desmantelamento completo, verificável e irreversível de armas nucleares, armas de destruição em massa e mísseis", afirmou, em nota emitida pelo gabinete de Abe.

O premiê japonês disse ainda que o anúncio não muda a sua política externa e que o país vai manter os esforços coordenados com a Coreia do Sul e os Estados Unidos pela desnuclearização da Península Coreana. //ASSOCIATED PRESS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.