EFE/ Policia de Tailandia
EFE/ Policia de Tailandia

Tatuagens ajudam a prender membro da Yakuza que se escondia na Tailândia

Fotos dos desenhos tatuados no peito e nas costas de Shineharu Shirai foram tiradas sem que ele tivesse conhecimento e publicadas nas redes sociais, o que alertou as autoridades do Japão

O Estado de S.Paulo

11 Janeiro 2018 | 11h01

BANGCOC - As tatuagens características da máfia japonesa Yakuza e as redes sociais levaram à detenção na Tailândia de um membro do grupo que fugiu do Japão após o assassinato de um rival há mais de 14 anos, informaram nesta quinta-feira, 11, fontes policiais.

+ Inundações na Tailândia afetam pelo menos 800 mil pessoas

Shineharu Shirai, de 74 anos e casado com uma tailandesa, foi detido na véspera em Lop Buri, capital da província homônima e situada a cerca de 120 quilômetros de Bangcoc, indicou o coronel Ukrit Pooklan, da polícia local.

+ Ex-premiê tailandesa está exilada em Dubai, diz chefe da junta militar

Ele detalhou que a detenção ocorreu durante a tarde, quando o japonês - que não possui a ponta do dedo mindinho da mão esquerda em razão do ritual chamado Yubitsume - jogava uma partida de xadrez.

Algumas fotos das tatuagens no peito e nas costas de Shirai, tiradas sem que ele tivesse conhecimento e publicadas nas redes sociais, delataram a presença do criminoso na Tailândia e alertaram as autoridades no Japão, que entraram em contato com a Interpol.

Segundo a Polícia da Tailândia, Shirai será levado a Bangcoc para que o Departamento de Imigração decida primeiro o que fazer com sua situação de ilegalidade no país, já que ele não possui os documentos necessários. Depois provavelmente será enviado ao Japão.

O detido pertenceu ao grupo Yamaguchi-gumi da Yakuza, segundo um veículo de imprensa tailandês. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Yakuza Máfia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.