Taxa de desemprego fica inalterada em 9% na zona do euro

O número de desempregados na zona do euro continua crescendo, a despeito de dados indicarem um ritmo mais robusto de expansão econômica na região. Dados da Agência de Estatísticas da União Européia (Eurostat) indicam que a taxa de desemprego nos 12 países que compartilham o euro como moeda permaneceu inalterada em 9% em agosto, um nível considerado elevado pelos padrões internacionais. Nos Estados Unidos, a taxa de desemprego está em 5,4% e no Japão, em 4,8%. O número de desempregados cresceu de 12,7 milhões para 12,8 milhões de pessoas. A elevada taxa de desemprego tem sido citada como um fator para explicar os fracos níveis de confiança dos consumidores e de gastos. Analistas não acreditam em uma melhora dramática do nível de emprego nesse ano na região. A Espanha registrou a maior taxa de desemprego na região, de 11%. A Irlanda teve a menor taxa desemprego: 4,4%. Na União Européia como um todo, que inclui os 10 países da Europa Central e do Leste desde 1º de maio, a taxa de desemprego ficou em 9%. O número de pessoas sem emprego na região permaneceu inalterado em 19,3 milhões.

Agencia Estado,

05 Outubro 2004 | 14h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.