André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Temer embarca para Roraima para discutir fluxo de refugiados venezuelanos

Presidente deve se reunir com a governadora do Estado, Suely Campos, em Boa Vista

Tânia Monteiro e Sandra Manfrini, O Estado de S.Paulo

12 Fevereiro 2018 | 10h47

BRASÍLIA  - O presidente Michel Temer  embarcou na manhã desta segunda-feira, 12,  para Boa Vista, em Roraima, onde irá se reunir com a governadora do Estado, Suely Campos. A informação é da Secretaria de Comunicação do Palácio do Planalto. Na pauta, está o aumento no fluxo de refugiados venezuelanos no Estado, que fogem da crise econômica e política no país vizinho. 

+ Polícia prende responsável por ataque contra venezuelanos em Roraima

 Temer decidiu ir pessoalmente para ver a situação de Roraima, que tem se agravado em razão do aumento da entrada de venezuelanos no Brasil, principalmente depois da decisão da última semana tomada pelo governo da Colômbia, que restringe a entrada de venezuelanos no país. O presidente irá verificar que medidas poderão ser tomadas para ajudar na solução dos problemas criados por essa imigração em massa.

A reunião em Boa Vista está prevista para acontecer às 11h, horário local, 13h de Brasília. A previsão é que, após o encontro, Temer retorne ao Rio de Janeiro, para permanecer com a família na Restinga da Marambaia, onde passa o feriado de Carnaval.

+ Com agravamento da situação em Roraima, Temer visita o estado nesta segunda

O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Sérgio Etchegoyen, disse ontem ao Broadcast que a situação no Estado é "dramática". Ele esteve em Boa Vista na quinta-feira da semana passada, ao lado dos ministros da Defesa, Raul Jungmann, e da Justiça, Torquato Jardim, para verificar a situação. "O quadro lá é muito sério", disse o ministro.

Segundo ele, a ideia do governo federal é ampliar "ainda mais fortemente" o aparato de apoio ao Estado, com mais ações de saúde, como levar mais suprimento para a população, por exemplo, além do reforço das fronteiras com soldados e Polícias Federal e Rodoviária Federal, para ajudar no ordenamento da entrada dos venezuelanos, já que o Estado, sozinho, não tem condições de receber tantos imigrantes, atendê-los e abrigá-los.

+ Morrer após voltar a viver, a sentença contra os transplantados na Venezuela

Além do GSI, da Defesa e da Justiça, representantes da Saúde, das Relações Exteriores, do Desenvolvimento Social, entre outros órgãos participarão da visita.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.