Tempestades de neve fora de época matam 40 na China

Tempestades de neve incomuns nesta época do ano no centro-norte da China mataram 40 pessoas, provocaram o colapso de mais de 9 mil edifícios, destruíram 470 mil acres (190 mil hectares) de plantações de inverno e forçaram 158 mil pessoas a deixarem suas casas, segundo informou o Ministério de Relações Civis. Dezenove mortes resultaram de acidentes de trânsito relacionados às tempestades que começaram na segunda-feira. A imprensa estatal afirmou que ao menos duas mortes foram causadas pelo colapso de edifícios, incluindo a lanchonete de uma escola.

AE-AP, Agencia Estado

14 Novembro 2009 | 12h02

As nevascas foram as mais fortes nas províncias de Hebei, Shanxi, Shaanxi, Shandong e Henan desde que os registros começaram a ser feitos, após o estabelecimento do Estado comunista em 1949. O ministério estima que as perdas econômicas com as tempestades somarão 4,5 bilhões de yuans (US$ 659 milhões).

Na capital da província de Hebei, Shijiazhuang, ocorreu a maior nevasca. Nos três dias até a manhã de quinta-feira, a neve acumulada atingia 55 centímetros, o maior volume desde 1955, de acordo com a Administração Meteorológica da China. Mais de 7,5 milhões de pessoas ficaram presas ou foram afetadas de algum outro modo pelas tempestades. Pequim foi atingida por três nevascas sucessivas que destruíram estradas e forçaram o cancelamento ou adiamento de vários voos.

No ano passado, tempestades de neve e gelo atingiram partes do leste e do sul da China desacostumadas com esse tipo de ocorrência. Na ocasião, os sistemas de transporte público foram paralisados justamente quando milhões de trabalhadores migrantes se preparavam para ir para casa no feriado do Ano Novo Lunar chinês, o que levou à morte de mais de 80 pessoas e causou prejuízo de bilhões de dólares.

Mais conteúdo sobre:
China tempestade neve mortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.