Terceira mulher alega na justiça ter filho com Lugo

As aventuras amorosas do passado seguem perturbando o ex-bispo católico e hoje presidente do Paraguai, Fernando Lugo. Uma terceira mulher, Hortensia Damiana Morán, entrou na justiça local afirmando que seu filho Juan Pablo, de 2 anos, é também de Lugo.

AE-AP, Agencia Estado

05 Novembro 2009 | 18h21

Hortensia, de 40 anos, militou na diocese de San Lorenzo, onde Lugo também atuou, e participou da campanha presidencial de 2006. Em abril, ela havia afirmado que não entraria na justiça para garantir a paternidade.

Apesar disso, a juíza Sandra Sánchez, da cidade de San Lorenzo, 16 quilômetros a leste de Assunção, informou que recebeu a demanda. Hoje, Lugo e seu advogado Marco Fariña receberam cinco dias para apresentar uma resposta à ação.

Viviana Carrillo, de 26 anos, foi a primeira a ter êxito em seu processo para que Lugo assumisse uma paternidade, em abril. O próprio presidente logo reconheceu que o pequeno Guillermo Armindo era seu filho.

Já Benigna Leguizamón, a segunda mulher com quem o então bispo teria mantido um relacionamento na diocese de San Pedro, continua com um processo na Câmara de Apelações, em Ciudad del Este, 320 quilômetros a leste da capital. O tribunal deve decidir se Lugo se submete a um teste de DNA em Assunção ou precisa viajar para Ciudad del Este para o exame.

O ministro de Interior, Rafael Filizzola, disse que o novo processo não afetará a imagem do líder. "Não se deve misturar assuntos particulares com o governo", afirmou.

Lugo foi liberado de seus votos de pobreza, castidade e obediência em julho de 2008, pelo papa Bento XVI, mas segue solteiro. Em 16 de agosto, dia das crianças no Paraguai, ele levou Guillermo Armindo até sua residência, para passarem o dia juntos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.