1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Terrorista foragido do aeroporto de Bruxelas é identificado por testemunhas

- Atualizado: 26 Março 2016 | 16h 38

Suspeito foi detido em operação na quinta-feira; cúmplice de extremistas que se explodiram em Zaventem foi filmado

Nas imagens das câmeras de segurança, é possível ver três homens empurrando carrinhos de bagagem. Dois dos indivíduos, vestidos de preto, usavam luvas na mão esquerda, o que poderia ter sido usado para esconder os detonadores dos explosivos

Nas imagens das câmeras de segurança, é possível ver três homens empurrando carrinhos de bagagem. Dois dos indivíduos, vestidos de preto, usavam luvas na mão esquerda, o que poderia ter sido usado para esconder os detonadores dos explosivos

BRUXELAS - Fayçal Cheffou, um dos suspeitos presos pela polícia da Bélgica na noite de quinta-feira, foi identificado neste sábado, 26, como um dos autores dos atentados terroristas de terça-feira em Bruxelas. Jornalista desempregado, ele foi reconhecido por um motorista de táxi que conduziu o grupo de três homens ao aeroporto, onde dois de seus comparsas cometeram suicídio.

Em comunicado oficial, o Ministério Público da Bélgica confirmou que Cheffou foi reconhecido por testemunhas, mas as autoridades ainda esperarão pelos resultados de exames de DNA para confirmar a identidade. Por ora, o suspeito teve a prisão decretada por terrorismo. “No conjunto da investigação aberta em razão dos atentados no aeroporto de Bruxelas (Zaventen), o juiz de instrução homologou, nessa sexta-feira, um mandado de prisão contra Fayçal C.”, informou o procurador de Bruxelas, Frédéric Van Leeuw. “Uma busca em sua casa foi realizada. Nenhuma arma ou explosivo foi encontrada.”

Caso o DNA confirme os testemunhos colhidos pela polícia, Cheffou será um novo personagem de primeiro plano da célula terrorista belgo-francesa que atacou Bruxelas e Paris, a ser preso. O primeiro é Salah Abdeslam, considerado o único sobrevivente do comando que matou 130 pessoas na capital francesa em novembro. 

Mesmo sem o resultado do exame de DNA, Cheffou já responde oficialmente a acusações de participação em grupo terrorista, assassinatos terroristas e tentativa de assassinatos terroristas, crimes pelos quais pode ser condenado à perpétua.

Além dele, outros dois homens foram formalmente acusados pelo MP. O primeiro é Rabah N., verdadeiro nome de Salah A., preso na sexta-feira na cidade de Saint-Gilles, nas imediações de Bruxelas. Ele estaria em contato direto com Reda Kriket, detido em Argenteuil, na França, na quinta-feira. Na casa do francês foram descobertos um arsenal de fuzis de ataque AK-47, além de pistolas e produtos químicos.

Vítimas dos ataques em Bruxelas recebem homenagens pelo mundo
REUTERS/Philippe Wojazer
Homenagem a Bruxelas

Torre Eiffel, na França, é iluminada com as cores da bandeira belga (preto, amarelo e vermelho) em homenagem às vítimas dos atentados terroristas ocorridos em Bruxelas. Os ataques deixaram mais de 30 mortos e 200 feridos

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX