REUTERS/Toby Melville
REUTERS/Toby Melville

Três ônibus deixam embaixada russa com diplomatas expulsos do Reino Unido

Funcionários da embaixada russa acenaram para os diplomatas e suas famílias enquanto os ônibus se distanciavam

O Estado de S.Paulo

20 Março 2018 | 15h13

LONDRES - Três ônibus com placas diplomáticas deixaram a embaixada russa em Londres nesta terça-feira, à medida que 23 diplomatas expulsos pela primeira-ministra britânica, Theresa May, voltam para Moscou depois de um ataque com agente nervoso de nível militar contra um ex-espião russo em uma cidade inglesa.

+ Entenda as sanções impostas por Londres a Moscou por envenenamento de ex-espião

Funcionários da embaixada russa acenaram para os diplomatas e suas famílias enquanto os ônibus se distanciavam, disse um fotógrafo da Reuters no local.

+ Grã-Bretanha acusa Rússia de armazenar substância mortal usada em ataque a ex-espião

Na última quarta-feira, May deu a 23 russos, que disse serem espiões trabalhando sob disfarce diplomático na embaixada, uma semana para deixar o país após o primeiro uso ofensivo conhecido de um agente nervoso do tipo Novichok em território europeu desde a Segunda Guerra Mundial.

No fim de semana, a Rússia determinou, em represália, a expulsão de 23 diplomatas britânicos de seu território. O governo britânico, apoiado por EUA, França e Alemanha, acusa Moscou de ter envenenado no dia 4 o ex-espião russo Serguei Skripal, de 66 anos, e sua filha Yulia, de 33, no que foi considerado por Londres um ataque com arma química. Um policial também foi contaminado pela substância. 

Moscou escolheu o mesmo número de funcionários para expulsão, a fim de reforçar o argumento de que não começou a crise diplomática, mas acrescentou punições paralelas. Uma delas foi a suspensão da atividade em território russo do British Council (Conselho Britânico), instituto público cujo objetivo declarado é divulgar a língua e a cultura inglesa no exterior. Moscou também retirou a autorização para a abertura de um consulado em São Petersburgo, a segunda maior cidade do país./ REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.