Três voluntários espanhóis são sequestrados na Mauritânia

Ainda se desconhece a autoria do sequestro, embora fontes tenham dito que poderia se tratar da Al Qaeda

Efe,

30 Novembro 2009 | 01h56

Três voluntários espanhóis foram sequestrados nesta segunda-feira, 30, perto da capital Nuakchott, na estrada que liga com Nuadibu, a maior cidade do norte do país, segundo informaram à Agência Efe fontes da segurança mauritana.

 

O sequestro dos três voluntários espanhóis, da ONG Barcelona Ação Solidária, aconteceu quando transportavam material de ajuda em um comboio formado por 13 veículos que se dirigia para Dacar, capital do Senegal. Segundo um porta-voz da organização os sequestrados são Albert Vilalta, Alicia Gámez e Roque Pascual.

 

Ainda se desconhece a autoria do sequestro, embora fontes policiais tenham dito à Efe que poderia se tratar de uma célula da organização Al Qaeda no Magrebe Islâmico.

 

Segundo explicaram as fontes, um grupo de homens armados e com os rostos cobertos atacaram uma caravana de cinco veículos que ia para Nuadibu e fugiram com o último dos carros, no qual supostamente viajavam os espanhóis.

 

As fontes de segurança mauritanas mostraram à Efe suas esperanças de localizar os sequestrados esta mesma noite ou amanhã.

 

Um porta-voz da Embaixada espanhola em Nuakchott assegurou que o embaixador se encontra em contato permanente com o Ministério de Assuntos Exteriores espanhol e que, por enquanto, não se pode confirmar nenhuma informação.

 

O ministro do Interior espanhol, Alfredo Pérez Rubalcaba, disse que "tudo aponta" para que o sequestro de três voluntários espanhóis na Mauritânia seja obra do grupo Al Qaeda no Magrebe Islâmico (AQMI).

 

Rubalcaba advertiu que, por enquanto, não pode dizer nada com segurança total, mas reconheceu seu temor de que "estejamos diante de um sequestro de radicais islâmicos".

 

Se for confirmado, "não seria o primeiro sequestro" que a AQMI realiza "nessa zona de voluntários europeus e americanos", acrescentou em umas declarações ao chegar a uma reunião de ministros da União Europeia (UE).

 

Rubalcaba disse que o ministro de Assuntos Exteriores da Espanha, Miguel Ángel Moratinos, conversou no domingo com o presidente da Mauritânia, Mohamed Ould Abdel Aziz, que "decidiu pôr todas as forças de segurança" do país na busca dos "supostos sequestrados".

 

O ministro destacou que conversou com as famílias dos três voluntários e disse que está à espera de mais notícias para poder falar com total segurança.

 

Atualizada às 8h15

Mais conteúdo sobre:
Mauritânia sequestro Saara

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.