AHMAD AL-RUBAYE / AFP
AHMAD AL-RUBAYE / AFP

Tropas do Iraque e milícias combatem EI e avançam em Tikrit

Forças tentam chegar ao centro da cidade; retomada da cidade permitiria o avanço rumo a Mossul 

O Estado de S. Paulo

12 Março 2015 | 10h29

BAGDÁ - As forças de segurança iraquianas, apoiadas por uma milícia xiita, estão em confronto com combatentes do Estado Islâmico (EI) em Tikrit nesta quinta-feira, 12, um dia depois de terem avançado para o interior da cidade, em sua maior ofensiva até agora contra os militantes islamistas.

Uma fonte do comando militar local informou que houve troca de tiros na parte da manhã enquanto os combatentes do Exército e das milícias lutavam para avançar nas zonas sul, norte e noroeste da cidade, que eles ocuparam nas últimas 24 horas.

O EI ssumiu o controle de Tikrit, cidade-natal de Sadam Hussein, em junho, durante uma ofensiva-relâmpago que foi detida apenas na periferia de Bagdá. A capital da província de Salahuddin fica à margem do rio Tigre, cerca de 130 quilômetros ao norte de Bagdá. Os jihadistas usam como sua sede o complexo de palácios construídos em Tikrit na época do ditador.

Segundo a fonte militar, os insurgentes ainda ocupam o complexo presidencial e pelo menos três outros distritos no centro de Tikrit, e impedem o avanço do Exército com a ação de franco-atiradores, ataques suicidas com carros-bomba, metralhadoras pesadas e morteiros. Um fotógrafo da Reuters viu um carro-bomba explodir na zona sul da cidade e autoridades do setor de segurança disseram que combatentes do EI montaram armadilhas em prédios abandonados.

Oficiais militares disseram que avançam com cautela para limitar os danos à infraestrutura da cidade para que, dessa forma, os moradores possam voltar rapidamente assim que Tikrit for retomada.

Importância. Em entrevista concedida à AP na linha de frente, o ministro da Defesa iraquiano, Khaled al-Obeidi, disse esperar que as forças de segurança cheguem ao centro da cidade no prazo de três a quatro dias.

Se o governo iraquiano, liderado pelos xiitas, retomar Tikrit, essa seria a primeira cidade recuperada dos insurgentes sunitas, o que daria impulso à próxima fase, crucial na campanha: a recuperação de Mossul, a maior cidade do norte do país.

Mossul é também a maior cidade em posse do Estado Islâmico, milícia ultrarradical que ocupa regiões sunitas da Síria e do Iraque, nas quais instituiu um regime que define como um califado.

Mais de 20 mil soldados iraquianos e milícias xiitas apoiadas pelo Irã, conhecidas como Hashid Shaabi, com o reforço de tribos sunitas locais, lançaram a ofensiva rumo a Tikrit há dez dias, avançando a partir do leste e ao longo das margens do rio Tigre.

Na terça-feira, eles tomaram a localidade de al-Alam, no extremo norte de Tikrit, abrindo caminho para um ataque à cidade de Sadam.

Ao norte de Tikrit, os militantes islamistas explodiram a ponte al-Fatha, que conecta a rodovia norte-sul ao longo do rio Tigre com a cidade de Hawijah, situada a nordeste e que está sob o poder do Estado Islâmico. /AP e REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Estado Islâmico Tikrit Mossul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.