AFP PHOTO / Nicholas Kamm
AFP PHOTO / Nicholas Kamm

Congresso divulga memorando sobre o FBI após autorização de Trump

'O que está acontecendo em nosso país é uma desgraça. Muita gente deveria sentir vergonha', diz Trump

O Estado de S.Paulo

02 Fevereiro 2018 | 15h27
Atualizado 02 Fevereiro 2018 | 16h06

WASHINGTON -  O Congresso dos Estados Unidos tornou público nesta sexta-feira, após autorização do  presidente Donald Trump, a publicação do polêmico memorando que questiona a imparcialidade do FBI em relação ao Partido Republicano, em meio a um ambiente de crescente tensão política.

+ Com discurso, presidente americano tenta se recompor

O anúncio da autorização ao Congresso para tornar público o documento foi feito pelo próprio Trump na Casa Branca momentos antes. "O que está acontecendo em nosso país é uma desgraça. Muita gente deveria sentir vergonha", disse o presidente no Gabinete Oval.

Mais cedo, Trump  acusou o FBI e o departamento de Justiça de terem politizado as investigações a favor do Partido Democrata. "Os mais altos dirigentes do FBI e do departamento de Justiça politizaram o sagrado processo de investigação a favor dos democratas e contra os republicanos", tuitou Trump, sem definir a que época fazia referência. "Isso teria sido impensável há pouco tempo", acrescentou, elogiando, no entanto, o trabalho de agentes que são "fantásticos".

O memorando - inédito - foi elaborado pelo polêmico chefe do Comitê de Inteligência da Câmara dos Deputados, o republicano Devin Nunes, contra a opinião dos membros democratas de sua comissão e a partir de informações secretas.  Esse relatório baseia-se nas escutas que o FBI realizou de um membro da equipe de campanha eleitoral de Trump em 2016, no marco geral das investigações sobre a alegada interferência da Rússia nas eleições presidenciais daquele ano.

Nunes pediu permissão ao presidente para tornar o documento público, mas o gesto imediatamente desencadeou uma verdadeira tempestade política na capital americana, a ponto de o próprio FBI pedir publicamente que o memorando fosse mantido em sigilo.

Em resposta, a Associação de Agentes do FBI disse que os investigadores da polícia federal americana não permitiram e não permitirão a contaminação das investigações por motivações partidárias. / REUTERS, AFP e AP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.