AP Photo/Oded Balilty
AP Photo/Oded Balilty

Trump apoia processo de paz entre Israel e palestinos, mas se afasta de solução de dois Estados

Presidente considera a paz no Oriente Médio ‘uma alta prioridade’; ele se encontra nesta quarta-feira com o premiê israelense Binyamin Netanyahu

Cláudia Trevisan, correspondente / Washington, O Estado de S.Paulo

15 Fevereiro 2017 | 10h50

WASHINGTON - A Casa Branca disse na terça-feira que a criação de dois Estados não é um elemento essencial para a solução do conflito entre israelenses e palestinos, o que representa o abandono da posição defendida pelos EUA desde o primeiro governo de George W. Bush.

A informação foi dada por uma fonte da administração do presidente americano, Donald Trump, na véspera da chegada a Washington do primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu. “Uma solução de dois Estados que não traga paz não é um objetivo que alguém quer atingir”, disse o integrante do governo em briefing a repórteres que cobrem a Casa Branca.

“A paz é o objetivo, que pode vir na forma de uma solução de dois Estados, se isso é o que as partes querem, ou algo diferente. Nós vamos ajudá-los”, afirmou o assessor de Trump, segundo declarações reproduzidas por jornais e agências de notícia dos EUA. “Não cabe a nós impor essa visão.”

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Antonio Guterres, criticou a posição de Washington. “Não há solução alternativa para a situação entre palestinos e israelenses além da solução para o estabelecimento de dois Estados e nós deveríamos fazer todo o possível para mantermos isso”, declarou ele no Cairo.

Saeb Erekat, secretário-geral da Organização para Libertação da Palestina (OLP), disse que a única alternativa para dois Estados é a criação de um único Estado “secular e democrático, com direitos iguais para todos, cristãos, muçulmanos e judeus”. Segundo ele, o objetivo de Netanyahu é criar um sistema de apartheid, com direitos distintos para israelenses e palestinos.

“Se as declarações atribuídas a uma autoridade da Casa Branca são verdadeiras, então isso é um sucesso imediato para Netanyahu, mesmo antes de ele se encontrar com o presidente Trump”, ressaltou. Segundo ele, os palestinos vão se empenhar para construir uma frente internacional para preservar a proposta de criação de dois Estados.

No início deste mês, a Casa Branca disse que a construção de assentamentos israelenses ou a ampliação dos já existentes em terras ocupadas pode não ajudar a obter a paz. A declaração representou uma mudança de tom de Trump, que durante a campanha eleitoral sinalizou que poderia ser mais complacente com projetos de assentamentos do que seu antecessor, Barack Obama. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.