Evan Vucci/ AP
Evan Vucci/ AP

Trump assina decreto para retirar regulações do mercado financeiro

Após fazer campanha contra Wall Street, republicano diz que medida facilitará dinamismo da economia

O Estado de S.Paulo

03 Fevereiro 2017 | 16h43

WASHINGTON -  O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou nesta sexta-feira,3, um decreto para aliviar parte das regulações financeiras impostas nos Estados Unidos após a crise de 2008 e aprovadas pelo Congresso em 2010.

A legislação, conhecida como Dodd-Frank, obrigou os bancos a adotar diversas medidas para evitar uma nova quebra generalizada, como aumentar os níveis de compulsório, passar por testes de estresse anuais, entre outras regras - criticadas especialmente por instituições menores.

"Esperamos cortar uma boa parte da Dodd-Frank", disse Trump em um encontro com empresários hoje pela manhã. "Para ser franco, muitos amigos meus, que têm bons negócios, eles não conseguem tomar dinheiro emprestado porque os bancos estão de mãos atadas pelas regras dessa lei."

Trump também assinou um memorando que deve reverter regras do Departamento do Trabalho que exige que empresas de crédito coloquem os interesses do cliente acima dos delas próprias. 

Os novos decretos do presidente deve irritar democratas e grupos progressistas que pedem uma maior regulação de de Wall Street. Ao longo da campanha, Trump se aproveitou do ressentimento contra o mercado financeiro de parte da população que sofreu com a crise econômica e classificou sua rival, Hillary Clinton, como "a candidata de Wall Street".

Trump ainda disse que o aumento de vagas na economia criado em janeiro anunciado hoje pelo Departamento de Estatísticas tem a ver com "o grande momento que o país vive". Mais de 227 mil vagas foram criadas, jogando a taxa de desemprego para 4,8%. Além disso, mais americanos começaram a procurar emprego / AP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.