1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Trump começa a perder força e partido se divide

- Atualizado: 08 Março 2016 | 20h 36

Pesquisa indica que magnata é o menos capaz de unir os conservadores em uma candidatura única contra democrata

WASHINGTON - No plano nacional americano, Donald Trump ainda lidera a disputa pela indicação à candidatura presidencial republicana, mas sua influência sobre o eleitorado se enfraqueceu desde o início das primárias e o partido está agora extremamente dividido a respeito da nomeação, indicou ontem pesquisa do Washington Post e da ABC News.

Trump detém o apoio de 34% dos republicanos registrados e dos independentes com tendência republicana, em comparação com 25% de Ted Cruz, 18% de Marco Rubio e 13% de John Kasich, governador de Ohio.

A margem de vantagem de Trump sobre Cruz caiu de 16 pontos porcentuais em janeiro para 9 atualmente. Como vários pré-candidatos republicanos abandonaram a disputa, a porcentagem de Cruz aumentou em 4 pontos desde janeiro. Rubio subiu 7 pontos e Kasich, 11 pontos. O porcentual de Trump recuou em 3 pontos, dentro da margem de erro da pesquisa.

O magnata norte-americano e pré-candidato à presidência dos EUA pelo Partido Republicano Donald Trump vem ganhando notoriedade política nos útlimos meses e está entre os líderes mais influentes do mundo de acordo com a Time.

O magnata norte-americano e pré-candidato à presidência dos EUA pelo Partido Republicano Donald Trump vem ganhando notoriedade política nos útlimos meses e está entre os líderes mais influentes do mundo de acordo com a Time.

No campo democrata, Hillary Clinton continua à frente do senador Bernie Sanders, mas no nível nacional sua margem agora é a menor entre as pesquisas realizadas conjuntamente pelo Post pela ABC desde o início da campanha.

O novo levantamento mostra que Hillary ainda é a favorita de 49% dos democratas registrados e dos independentes de tendência democrata, com Sanders ficando em 42%. A margem de sete pontos é bem inferior aos 19 pontos de vantagem que ela possuía em janeiro.

O fato de Trump ser figura polarizadora dentro do Partido Republicano não surpreende. Visto com ceticismo pelo establishment e entre outros republicanos, Trump agrada a 51% dos entrevistados como candidato do partido, porcentagem bem menor do que nos casos de Ted Cruz (65%), Rubio (62%) e Kasich (56%).

Os índices favoráveis desses candidatos mostram que a posição de Trump é cada vez mais frágil dentro do partido.  Em janeiro, os republicanos claramente faziam comentários mais favoráveis do que desfavoráveis sobre Trump, numa margem de 60% contra 39%, porcentuais que diminuíram para 53% contra 46%, com as opiniões negativas chegando ao seu nível mais alto na pesquisa divulgada ontem desde que ele entrou na disputa. Os números positivos também se estenderam para os 64% de Cruz e 63% de Rubio.

Ted Cruz: de rejeitado pelo Partido Republicano à esperança contra Trump
J Pat Carter/AFP
Ted Cruz: de rejeitado pelo Partido Republicano à esperança contra Trump

Rafael Edward "Ted" Cruz, de 45 anos, é pré-candidato pelo Partido Republicano às eleições nos EUA de 2016

Críticas. Segundo a pesquisa, para mais da metade dos republicanos e dos independentes de tendência republicana Trump é desonesto, não compreende os seus problemas, carece de experiência e não tem a personalidade e o temperamento adequados para ser um presidente eficaz.

Por outro lado, mais de seis em cada dez republicanos afirmam que Ted Cruz é honesto, compreensivo e tem o temperamento e a experiência adequados; um número similar de pessoas afirma que Rubio têm as três primeiras qualidades, mas metade acha que ele não tem a experiência necessária.

Numa disputa hipotética entre Trump e Cruz, os republicanos dizem preferir o senador do Texas em números de 54 contra 41. Rubio é favorito, mas num confronto com Trump ele teria uma vantagem de 51 contra 45. Um possível enfrentamento entre Trump e Kasich não foi contemplado pela pesquisa. / WASHINGTON POST

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX