Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Internacional

Internacional » Trump começa a perder força e partido se divide

Internacional

AFP / JIM WATSON

Trump começa a perder força e partido se divide

Pesquisa indica que magnata é o menos capaz de unir os conservadores em uma candidatura única contra democrata

0

O Estado de S. Paulo

09 Março 2016 | 05h00

WASHINGTON - No plano nacional americano, Donald Trump ainda lidera a disputa pela indicação à candidatura presidencial republicana, mas sua influência sobre o eleitorado se enfraqueceu desde o início das primárias e o partido está agora extremamente dividido a respeito da nomeação, indicou ontem pesquisa do Washington Post e da ABC News.

Trump detém o apoio de 34% dos republicanos registrados e dos independentes com tendência republicana, em comparação com 25% de Ted Cruz, 18% de Marco Rubio e 13% de John Kasich, governador de Ohio.

A margem de vantagem de Trump sobre Cruz caiu de 16 pontos porcentuais em janeiro para 9 atualmente. Como vários pré-candidatos republicanos abandonaram a disputa, a porcentagem de Cruz aumentou em 4 pontos desde janeiro. Rubio subiu 7 pontos e Kasich, 11 pontos. O porcentual de Trump recuou em 3 pontos, dentro da margem de erro da pesquisa.

No campo democrata, Hillary Clinton continua à frente do senador Bernie Sanders, mas no nível nacional sua margem agora é a menor entre as pesquisas realizadas conjuntamente pelo Post pela ABC desde o início da campanha.

O novo levantamento mostra que Hillary ainda é a favorita de 49% dos democratas registrados e dos independentes de tendência democrata, com Sanders ficando em 42%. A margem de sete pontos é bem inferior aos 19 pontos de vantagem que ela possuía em janeiro.

O fato de Trump ser figura polarizadora dentro do Partido Republicano não surpreende. Visto com ceticismo pelo establishment e entre outros republicanos, Trump agrada a 51% dos entrevistados como candidato do partido, porcentagem bem menor do que nos casos de Ted Cruz (65%), Rubio (62%) e Kasich (56%).

Os índices favoráveis desses candidatos mostram que a posição de Trump é cada vez mais frágil dentro do partido.  Em janeiro, os republicanos claramente faziam comentários mais favoráveis do que desfavoráveis sobre Trump, numa margem de 60% contra 39%, porcentuais que diminuíram para 53% contra 46%, com as opiniões negativas chegando ao seu nível mais alto na pesquisa divulgada ontem desde que ele entrou na disputa. Os números positivos também se estenderam para os 64% de Cruz e 63% de Rubio.

Críticas. Segundo a pesquisa, para mais da metade dos republicanos e dos independentes de tendência republicana Trump é desonesto, não compreende os seus problemas, carece de experiência e não tem a personalidade e o temperamento adequados para ser um presidente eficaz.

Por outro lado, mais de seis em cada dez republicanos afirmam que Ted Cruz é honesto, compreensivo e tem o temperamento e a experiência adequados; um número similar de pessoas afirma que Rubio têm as três primeiras qualidades, mas metade acha que ele não tem a experiência necessária.

Numa disputa hipotética entre Trump e Cruz, os republicanos dizem preferir o senador do Texas em números de 54 contra 41. Rubio é favorito, mas num confronto com Trump ele teria uma vantagem de 51 contra 45. Um possível enfrentamento entre Trump e Kasich não foi contemplado pela pesquisa. / WASHINGTON POST

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.