1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Trump divulga primeiro comercial de televisão para a corrida presidencial de 2016

- Atualizado: 04 Janeiro 2016 | 15h 07

Propaganda começará a ser veiculada na terça-feira em Iowa e New Hampshire. Vídeo destaca o pedido do pré-candidato de bloquear temporariamente a entrada de muçulmanos aos EUA e uma postura mais forte contra o Estado Islâmico

WASHINGTON - O pré-candidato republicano à presidência dos EUA Donald Trump divulgou nesta segunda-feira, 4, seu primeiro comercial de televisão para a corrida eleitoral de 2016 à Casa Branca. A peça tem 30 segundos e foca no posicionamento de Trump sobre muçulmanos, imigração e terrorismo.

O comercial começará a ser veiculado na terça-feira em Iowa e New Hampshire, dois Estados importantes na corrida para a nomeação dos candidatos do partido em julho, antes da eleição de novembro, informou a campanha do magnata em nota em seu site oficial.

O magnata do ramo imobiliário Donald Trump entrou para a corrida à Casa Branca em junho já causando polêmica. Ao anunciar sua pré-candidadura pelo Partido Republicano, fez um discurso racista, chamando mexicanos de criminosos. "Quando o México manda suas pessoas, ele não está mandando os melhores, mas cidadãos com muitos problemas. Eles estão trazendo drogas. Eles estão trazendo crime. Eles são estupradores." A polêmica, porém, seria apenas a primeira de uma série que se iniciava ali. 

O magnata do ramo imobiliário Donald Trump entrou para a corrida à Casa Branca em junho já causando polêmica. Ao anunciar sua pré-candidadura pelo Partido Republicano, fez um discurso racista, chamando mexicanos de criminosos. "Quando o México manda suas pessoas, ele não está mandando os melhores, mas cidadãos com muitos problemas. Eles estão trazendo drogas. Eles estão trazendo crime. Eles são estupradores." A polêmica, porém, seria apenas a primeira de uma série que se iniciava ali. 

O vídeo reitera o recente pedido do pré-candidato republicano para bloquear temporariamente a entrada de muçulmanos aos EUA e uma postura mais forte contra o Estado Islâmico e atos de terrorismo.

"Ele rapidamente vai cortar a cabeça do Estado Islâmico e tomar o petróleo do grupo", disse o anúncio, que também reforça os pedidos recorrentes de Trump para construir um muro na fronteira sul dos EUA, pago pelo México, para impedir a imigração ilegal.

"Os políticos podem fingir que é outra coisa, mas Donald Trump o chama de terrorismo radical islâmico e é por isso que defende uma proibição temporária da entrada dos muçulmanos nos EUA", diz o vídeo.

Na propaganda ainda aparecem imagens do presidente democrata Barack Obama e da principal pré-candidata do partido, Hillary Clinton, além do casal muçulmano radicalizado responsável pelo ataque em San Bernardino, Califórnia, em dezembro, que deixou 14 mortos.

Retrospectiva 2015 - Principais momentos da campanha nos EUA
REUTERS/Brendan McDermid
Donald Trump entra para a corrida

O magnata do ramo imobiliário Donald Trump entrou para a corrida à Casa Branca em junho já causando polêmica. Ao anunciar sua pré-candidadura pelo Partido Republicano, fez um discurso racista, chamando mexicanos de criminosos. "Quando o México manda suas pessoas, ele não está mandando os melhores, mas cidadãos com muitos problemas. Eles estão trazendo drogas. Eles estão trazendo crime. Eles são estupradores." A polêmica, porém, seria apenas a primeira de uma série que se iniciava ali. 

Trump lidera as pesquisas públicas de opinião entre os 12 pré-candidatos republicanos que buscam a nomeação para candidatura nacional, embora esteja atrás em algumas sondagens estaduais.

Ele disse na semana passada que planejava gastar pelo menos 2 milhões de dólares por semana para divulgar as propagandas. O montante seria dividido igualmente entre Iowa e New Hampshire. /REUTERS e AFP

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX