Reuters
Reuters

Trump diz que ainda pensa em mudar embaixada para Jerusalém

Ninguém quer tomar esta decisão e eu estou pensando nisso seriamente, afirma o presidente americano

O Estado de S.Paulo

10 Fevereiro 2017 | 14h00

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, cogita seriamente da possibilidade de transferir a embaixada americana em Israel de Tel-Aviv para Jerusalém. A poucos dias da visita do premiê Binyamin Netanyahu à Casa Branca, Trump disse ao jornal israelense Israel Hayom, no entanto, que a decisão não é fácil. 

"Isso foi discutido durante muitos anos. Ninguém quer tomar esta decisão e eu estou pensando nisso seriamente", disse o presidente."Os israelenses passaram por tempos muito difíceis."

A maioria das representações diplomáticas em Israel está em Tel-Aviv, maior cidade do país, apesar de o Estado judaico considerar Jerusalém sua capital. Nos acordos de Oslo, assinados em 1993, o status da cidade permaneceu indefinido. Os palestinos reivindicam sua parte oriental como capital de seu futuro Estado. Os israelenses não aceitam dividi-la. 

Trump disse também que acredita em poder resolver o conflito entre israelenses e palestinos. Ele pediu uma "atuação responsavelmente" ao governo de Netanyahu com relação à construção de novos assentamentos.

"Não sou alguém que acredita que avançar nas colônias seja bom para a paz, mas estamos pensando em várias opções", afirmou Trump.

É a primeira vez que o presidente americano se manifesta sobre este assunto, depois que a Casa Branca publicou na sexta-feira um comunicado no qual dizia que a construção de novos assentamentos não ajudam a conseguir a paz.

A nota foi publicada após o anúncio da construção de 3 mil novas casas em áreas da Cisjordânia que não estavam sobre controle israelense ocupada. Parte da coalizão de Netanyahu defende que o primeiro-ministro abandone de vez a solução de dois Estados para a solução do conflito - posição majoritária defendida há décadas pelo governo americano. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.