Assine o Estadão
assine

Internacional

Nevada

Hillary e Trump vencem em Nevada e Carolina do Sul

Ex-secretária de Estado supera senador Bernie Sanders por 5 pontos; Jeb Bush desiste da disputa republicana após novo fracasso

0

O Estado de S. Paulo

20 Fevereiro 2016 | 19h29

WASHINGTON - A ex-secretária de Estado dos EUA Hillary Clinton e o magnata imobiliário Donald Trump venceram ontem as eleições primárias de seus partidos em Nevada e na Carolina do Sul, respectivamente, confirmando as pesquisas mais recentes e derrotando seus principais adversários. 

Com 88% das seções eleitorais apuradas, Hillary tinha 52,6% dos votos contra 47,4% do senador por Vermont Bernie Sanders. Na disputada republicana, após 87% das seções apuradas, Trump tinha 33,1% dos votos ante 22,2% de Marco Rubio e 21,8% de Ted Cruz. Após a confirmação do 4º lugar na disputa, o ex-governador da Flórida Jeb Bush anunciou a suspensão de sua campanha.

“A todos que se mobilizaram em cada esquina de Nevada com o coração e determinação: esta é a sua vitória. Obrigado”, escreveu Hillary no Twitter, minutos depois de as projeções indicarem sua vitória, agradecendo seus eleitores do Estado, no qual a divisão demográfica se assemelha mais à do restante do país que as disputas anteriores em Iowa e New Hampshire.

Sanders reconheceu a derrota em discurso para seus apoiadores e disse ter ligado para Hillary para parabenizá-la. “Eles fizeram uma campanha muito agressiva e efetiva e eu os aplaudo por seus esforços”, disse o senador, que destacou, porém, o avanço da sua votação em Nevada. “Há cinco semanas, estávamos 25 pontos atrás nas pesquisas. Fizemos um progresso real.”

O resultado da disputa democrata - que teve a apuração atrasada em razão do grande comparecimento de eleitores - confirma que tanto Hillary quanto Sanders continuam mantendo sua base de voto em camadas demográficas estratégicas, com uma única exceção: segundo levantamento da Associated Press e do instituto Edison Research, o senador social-democrata aparece à frente da ex-secretária de Estado entre os hispânicos, grupo no qual acreditava-se que Hillary venceria.

Marvin Teske, de 53 anos, que trabalha como segurança em um casino na cidade de Reno, votou em Hillary por acreditar que Sanders teria dificuldade para derrotar o candidato republicano na eleição de novembro. “Todas essas coisas que ele está prometendo nunca serão cumpridas”, disse Teske. “E eu sempre gostei da Hillary.”

Republicanos. No começo da madrugada de hoje, Donald Trump discursou para centenas de apoiadores que o aguardavam em um hotel na cidade de Spartanburg e agradeceu pela vitória na Carolina do Sul. “Este é um Estado especial. Vocês são pessoas especiais”, afirmou o magnata. “(Essa disputa) é dura, desagradável, cruel, viciante e linda”, disse Trump para eleitores que gritavam “EUA, EUA, EUA”.

Trump chegou às urnas na Carolina do Sul como amplo favorito depois de uma semana de troca de ataques com seus rivais republicanos e de críticas até ao papa Francisco, que em visita ao México, disse que alguém com propostas semelhantes às do magnata sobre imigração “não é cristão”. 

O pré-candidato, que defende a construção de um muro para separar o México dos Estados Unidos, respondeu afirmando que se um dia Estado Islâmico atacar o Vaticano, Francisco desejaria que ele fosse o presidente americano. 

Na briga pelo segundo lugar, os senadores Marco Rubio, da Flórida, e Ted Cruz, do Texas, disputaram quase voto a voto o apoio de republicanos que discordam de Trump.

Completam o resultado da primária republicana o ex-governador da Flórida Jeb Bush, com 8,1% dos votos, o governador de Ohio, o moderado John Kasich, com 7,9%, e o cirurgião aposentado Ben Carson, com 6,9%.

Na próxima semana, as disputas trocam de lugar. Será a vez dos republicanos votarem no caucus de Nevada na terça-feira. Os democratas votam na Carolina do Sul no sábado.

Bush. Em discurso emocionado ao lado da mulher, Jeb anunciou no começo da madrugada a suspensão de sua campanha.

“As pessoas em Iowa, New Hampshire e Carolina do Sul mostraram sua opinião e eu realmente respeito a decisão delas”, disse Bush. “Esta noite suspendo minha campanha.” / NYT, EFE AFP, REUTERS e AP

Comentários