Assine o Estadão
assine

Internacional

Donald Trump

Trump avança e Flórida torna-se decisiva para disputa republicana

Com vitórias em Michigan, Havaí e Mississippi, magnata segura crescimento do senador Ted Cruz e vê Marco Rubio cada vez menos capaz de avançar nas pesquisas

0

O Estado de S. Paulo

10 Março 2016 | 05h00

WASHINGTON - Com novas vitórias do magnata Donald Trump nas primárias de terça-feira em Michigan, Mississippi e no Havaí, a votação republicana na Flórida, no dia 15 podem se tornar decisivas para determinar quem será o candidato do partido nas eleições de novembro. Ontem, Trump disse que se o partido se unir em torno de seu nome ele se tornará “invencível”. 

O magnata enfrenta resistência por parte da cúpula republicana em virtude das posições defendidas por ele ao longo da campanha. Seus rivais, os senadores Ted Cruz, do Texas, e Marco Rubio, da Flórida, no entanto, não conseguiram ainda empolgar o eleitorado do partido, atraído pelas propostas populistas e anti-imigração de Trump. Ainda na terça-feira, Cruz ganhou as primárias de Idaho, mas ainda tem quase 100 delegados a menos que Trump para a convenção partidária de julho. 

Uma derrota de Marco Rubio - senador pela Flórida e filho de pais cubanos que teve grande parte de sua ascensão política meteórica nesse Estado - seria um tropeço do qual seria quase impossível se recuperar, sustentam analistas. “Acredito que se Rubio não vencer ficará fora da disputa. É tudo ou nada no caso dele”, afirmou Lance Dehaven-Smith, professor de Ciência Política da Florida State University em Tallahassee, capital da Flórida.

Ontem, Trump afirmou que se Rubio for derrotado por ele na Flórida comprometerá gravemente seu futuro político. “Se ele perder, e acho que vai perder, não se elegerá nem governador mais”, disse o magnata à rede MSNBC. “E se o partido se unir em torno da minha candidatura, não poderão nos derrotar.”

As pesquisas não preveem boas notícias para Rubio: com 27%, está muito atrás do magnata Donald Trump, com 43% neste estado do sudeste dos Estados Unidos, embora à frente do senador ultraconservador Ted Cruz (13,5%) e do governador de Ohio, John Kasich (8,8%).

A população diversificada da Flórida, onde vivem muitas pessoas que chegaram de outras partes do país e que conta com importantes minorias hispânica e negra, tende a votar em linha com o resto do país, segundo os analistas, o que neste caso favorece Trump, que leva a liderança entre os republicanos após cinco semanas de primárias.

“Será muito difícil (para Rubio), porque vários eleitores mais velhos pensam que Rubio é muito jovem e que ainda tem um longo caminho pela frente, e, claro, há a comunidade hispânica, onde há uma natural fração entre os cubanos e os de outras origens’, indicou Susan MacManus, professora da University of South Florida em Tampa.

Em Mississippi, Trump teve 47% dos votos. Cruz ficou em segundo, com 36%, enquanto Rubio teve apenas 5%. Em Michigan, o magnata foi votado por 37% do eleitorado republicano, Cruz teve 25% e Rubio, 9%. No Havaí, o favorito na disputa republicana obteve 42% dos votos. O texano ficou com 33% e o senador da Flórida, com 13%.  Cruz obteve ontem o apoio da pré-candidata Carly Fiorina, que já abandonou a disputa. 

Democratas. Entre os candidatos democratas, o senador de Vermont Bernie Sanders, que vinha amargando uma série de derrotas, conseguiu uma vitória importante em Michigan, onde derrotou a ex-secretária de Estado Hillary Clinton por 50% a 48%. A ex-primeira-dama, no entanto, venceu com folga em Mississippi, onde obteve 83% dos votos. Sanders ficou com apenas 17%. 

Assim como a disputa republicana, a Flórida deve ser decisiva também para os democratas. A vantagem de Hillary sobre Sanders no número de delegados que elegerão o candidato na convenção partidária de julho, no entanto, é bem maior que a de Trump sobre Cruz: 1221 a 571.

 

A ex-secretária de Estado é a favorita nas últimas pesquisas feitas na Flórida. Segundo uma pesquisa divulgada ontem pela CNN ela tem 61% das intenções de voto no Estado. O senador social-democrata tem 34%. /AFP, AP, NYT e EFE

Comentários