David McNew/Getty Images/AFP
David McNew/Getty Images/AFP

Trump prepara diretriz que acelera deportações

Segundo ‘Reuters’, guias instruem  agentes em campo para implementar decretos presidenciais para impedir crescimento de imigração ilegal 

O Estado de S. Paulo

19 Fevereiro 2017 | 19h10

WASHINGTON - O governo de Donald Trump planeja instruir agentes da imigração para expandir as categorias de imigrantes que são alvos de deportação, segundo esboços de dois memorandos vistos pela agência ‘Reuters’ e relatados primeiramente pela organização McClatchy no sábado.

Duas fontes familiarizadas com os planos disseram à agência de notícias que os documentos foram aprovados pelo secretário de Segurança Interna, John Kelly, mas estão sob revisão final da Casa Branca. Eles devem ser divulgados à Polícia de Imigração e Alfândega (ICE, na sigla em inglês) e ao Escritório de Alfândegas e Proteção de Fronteiras (CBP) no início da semana.

Sob essas ordens, centenas de milhares de pessoas podem enfrentar processos de remoção acelerados, incluindo aquelas que não eram priorizadas para deportação no governo do ex-presidente Barack Obama.

Os memorandos são guias para instruir agentes em campo para implementar dois decretos assinados por Trump em 25 de janeiro, que buscam impedir o crescimento da imigração e retirar mais imigrantes ilegais dos Estados Unidos.

Um dos memorandos instrui agentes do ICE a ignorarem memorandos de Obama sobre prioridades de imigração, que tinham como alvo somente chegadas recentes e imigrantes com condenações criminais para deportação.  Em vez disso, imigrantes que foram acusados de crimes, mas não condenados, teriam deportação priorizada. 

O guia também permite a agentes do ICE ampla liberdade na decisão de quem pode ser deportado e considera sujeito à deportação qualquer um que esteja ilegalmente nos EUA.

O guia deixa em vigor o decreto presidencial de 2012 de Obama que protege 750 mil pessoas levadas aos EUA ilegalmente por seus pais. O destino do ato, conhecido como DACA, tem sido amplamente debatido dentro da Casa Branca, de acordo com fontes familiares às discussões. Trump disse em entrevista coletiva na semana passada que o DACA é um “assunto muito difícil” para ele. 

O memorando do ICE também indica que imigrantes não terão direitos sob leis de privacidade americanas. 

O segundo memorando instrui funcionários do CBP a repreenderem a imigração ilegal na fronteira ao manter imigrantes em detenção até que uma determinação do caso seja feita.

O Departamento de Segurança Interna não negou quaisquer informações contidas nos esboços, mas não deu mais detalhes.

Uma fonte familiarizada com os documentos disse que os memorandos seriam distribuídos na sexta-feira, mas a Casa Branca fez um pedido de revisão de última hora. Não se sabe se a presidência pode alterar o guia.

O secretário Kelly disse em um dos memorandos que a imigração ilegal na fronteira entre EUA e México “criou uma vulnerabilidade significativa para a segurança nacional dos Estados Unidos”. / REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Estados Unidos imigração Donald Trump

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.