1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Trump reforça retórica agressiva às vésperas de primária crucial na Flórida

- Atualizado: 13 Março 2016 | 20h 14

Após protestos em Illinois, Missouri e Ohio, magnata não recua e parte para o ataque: afirma que pode pagar custas legais de partidário que agrediu negro em evento de campanha e ameaça enviar simpatizantes aos comícios do democrata Bernie Sanders

WASHINGTON - Dois dias depois de cancelar um evento após confrontos entre seus seguidores e manifestantes, Donald Trump manteve ontem o tom desafiador que seus rivais consideram uma incitação à violência. O magnata disse que poderá pagar pela defesa de um homem que deu um soco no rosto de um negro em um de seus comícios e ameaçou enviar seus eleitores para protestarem em eventos do democrata Bernie Sanders.

A elevação da temperatura da campanha ocorre na véspera de primárias cruciais em cinco Estados que votarão amanhã. Se ganhar em todos eles, Trump praticamente garante sua nomeação como candidato do Partido Republicano à presidência, apesar da oposição da elite da legenda.

Protestos violentos obrigam Trump a adiar comício em Chicago
AFP PHOTO / Tasos Katopodis
Confusão em Chicago

O pré-candidato republicano às eleições presidenciais dos Estados Unidos, Donald Trump, se viu obrigado a adiar um comício nesta sexta-feira em Chicago devido a enfrentamentos violentos entre opositores e partidários do magnata.

Pesquisa do Wall Street Journal divulgada ontem mostrou Trump em segundo lugar em Ohio, atrás do governador do Estado, John Kasich. Na Flórida, ele mantinha ampla vantagem em relação ao senador Marco Rubio, que deverá deixar a disputa se perder em sua própria base eleitoral. O magnata também lidera em Illinois. Outra pesquisa o colocava na liderança em Missouri, seguido pelo senador Ted Cruz.

As imagens do enfrentamento de sexta-feira causaram uma onda de condenações da retórica explosiva de Trump por seus rivais republicanos e opositores democratas, que o responsabilizam por agravar as divisões na sociedade americana e estimular a violência. Os seguidores do bilionário são majoritariamente brancos, enquanto muitos dos participantes dos protestos contra sua candidatura são negro e latinos.

No sábado, o bilionário teve um momento de pânico e foi cercado por agentes do serviço secreto que fazem sua segurança quando o estudante Thomas DiMassimo, de 22 anos, tentou subir no palco de onde ele discursava em Ohio. Em entrevista à CNN ontem, DiMassimo disse que Trump é um “supremacista branco violento” e sua intenção era retirar seu microfone e impedi-lo de falar. 

“Ele é um oportunista que está disposto a destruir esse país para conquistar poder para si próprio”, disse o estudante, que foi indiciado sob a acusação de desordem e indução ao pânico. DiMassimo é branco e apoia a candidatura de Sanders.

Mais tarde, em um evento em Kansas City, Trump foi interrompido várias vezes por manifestantes quando tentava discursar. “Espero que essas pessoas sejam jogadas na prisão. Elas nunca farão isso de novo. Eu vou destruir o seu histórico criminal”, declarou o bilionário. Segundo Trump, a eventual prisão “arruinaria o resto das vidas” dos manifestantes. “Nós vamos tomar nosso país de volta dessas pessoas”, afirmou.

Donald Trump: magnata, celebridade e pré-candidato à Casa Branca
AP Photo/John Minchillo
Donald Trump: magnata, celebridade e pré-candidato à Casa Branca

Donald John Trump, 69 anos, é um magnata do setor imobiliário e pré-candidato pelo Partido Republicano à presidência dos EUA

Chicago. Na sexta-feira, em Chicago, eleitores de Trump já haviam enfrentado manifestantes. O confronto foi incomum pela magnitude e intensidade da violência, mas vários outros eventos de Trump também foram marcados por confusões. O candidato respondeu a esses episódios com declarações ainda mais inflamatórias. 

No dia 23 de fevereiro ele disse que “gostaria de dar um soco na cara” de um homem que protestou durante seu discurso. “Nos bons e velhos tempos, isso não ocorreria”, disse, demonstrando nostalgia do período em que manifestantes eram retirados de eventos em “macas”.

Três semanas antes, ele havia pedido ao público que o escutava em Iowa que batesse em qualquer pessoa que estivesse com tomates na plateia, depois de ser alertado de que poderia ser alvo de arremessos. “Batam com força. Prometo que pago pelas custas legais.”

Na semana passada, John McGraw, de 78 anos, deu um soco no rosto de um negro no momento em que o jovem era retirado pela polícia de um evento de Trump. “A próxima vez que nós o virmos, podemos ter de matá-lo. Não sabemos quem ele é. Ele pode pertencer a uma organização terrorista”, disse o seguidor do bilionário em entrevista após o soco. McGraw foi preso e acusado de desordem, agressão e ameaça. Ontem, Trump disse que poderá pagar pelas despesas de sua defesa. 

PARA ENTENDER

Uma nova Superterça

Cinco Estados americanos realizarão primárias amanhã. Na Flórida e em Ohio, os vencedores levarão todos os delegados. Até agora, eles eram divididos de maneira proporcional à votação. A Flórida é o grande prêmio, com 99 dos 367 delegados republicanos que serão definidos amanhã. Em segundo lugar está Ohio, com 66. Cada Estado define como os delegados são escolhidos. Na Carolina do Norte, que também vai às urnas amanhã, eles continuarão a ser distribuídos de maneira proporcional. Em Illinois e Missouri, os delegados serão eleitos nos distritos de onde saem os deputados federais de cada Estado.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX