Doug Mills/The New York Times
Doug Mills/The New York Times

Trump respalda projeto para reduzir pela metade a imigração legal aos EUA

Plano também eliminaria o concurso anual internacional por meio do qual o governo americano sorteia vistos

O Estado de S.Paulo

02 Agosto 2017 | 14h19

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou nesta quarta-feira, 2, seu respaldo a um projeto de lei que reduziria pela metade a imigração legal ao país ao longo da próxima década, e eliminaria o concurso anual internacional por meio do qual o governo americano sorteia permissões de residência.

"Isto representaria a reforma mais significativa no nosso sistema de imigração em meio século", disse Trump em um pronunciamento na Casa Branca.

O projeto de lei, apresentado em fevereiro por dois senadores republicanos, reduziria o número de imigrantes legais permitidos nos EUA em 40% no primeiro ano e em 50% em uma década, segundo seus promotores.

"Será dada prioridade aos solicitantes que falem inglês, possam se manter financeiramente (e manter suas famílias), e contribuam para a nossa economia", afirmou Trump.

O presidente destacou que a legislação ajudará a "criar um sistema de imigração com base no mérito" e "reduzirá a pobreza" nos EUA, "aumentará os salários e economizará aos contribuintes milhões de dólares".

O plano também assegurará "que os imigrantes" que terão permissão para morar nos EUA "se assemelhem ao país, tenham sucesso e vivam o sonho americano", acrescentou Trump.

O projeto, chamado Lei de Reforma da Imigração Americana para um Emprego Forte, foi apresentado em fevereiro pelos senadores republicanos David Perdue e Tom Cotton, que assistiram ao anúncio de Trump na Casa Branca.

A mudança mais significativa seria limitar a capacidade dos novos cidadãos de patrocinar outros membros de sua família que desejam imigrar aos EUA, pois só seria possível que cidadãos americanos ajudem cônjuges ou filhos menores de idade.

Atualmente, os cidadãos dos EUA e residentes permanentes podem patrocinar uma variedade de membros das suas famílias para obter uma permissão de residência, incluindo cônjuges, pais, irmãos e filhos adultos casados.

O plano de Cotton e Perdue permitiria apenas que cônjuges e filhos menores de idade não casados obtivessem as permissões, ainda que autorizaria vistos a pais adultos envelhecidos cujos filhos americanos estivessem a seu cuidado.

O projeto de lei também eliminaria o sorteio de vistos, que atribui cerca de 50 mil documentos por ano para os cidadãos de países que tradicionalmente têm baixas taxas de imigração aos EUA, e limitaria o número de refugiados recebidos de qualquer parte do mundo a 50 mil anualmente. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.