Ko Sasaki/The New York Times
Ko Sasaki/The New York Times

Turistas voltam a visitar Fukushima, mas com cautela

Governo busca convencer os próprios japoneses de que não há mais risco de se visitar a região, conhecida por sua culinária e o saquê

Ricardo Grinbaum, Fukushima, Japão, O Estado de S.Paulo

21 Janeiro 2018 | 06h00

Os turistas estão voltando a  Fukushima. Em 2016, a região atraiu 50 milhões de visitantes, cerca de 90% do total registrado antes do acidente nuclear. Mas, analisados em detalhe, os números ainda mostram a dificuldade de recuperar a imagem da tradicional região turística do  Japão. Enquanto Fukushima luta para voltar ao que era, o restante do país viu o número de turistas, em particular chineses, crescer 846% em sete anos.

+ Fukushima tenta se reerguer sete anos após maior tragédia nuclear do Japão

Assim como ocorre com a produção de comida, o governo está em campanha para convencer os próprios japoneses, e os estrangeiros, de que não há mais risco de se visitar a região. As medições de radiação, segundo autoridades, estão iguais ou abaixo das maiores cidades do mundo, com exceção de uma área ao redor da usina, equivalente a 3% do tamanho da Província de Fukushima.

Na campanha de relações públicas, o governo japonês quer levar duas modalidades de esportes da Olimpíada de 2020, beisebol e softbol, para serem disputadas em Fukushima. Os jogos de beisebol serão disputados no estádio que fica na capital da província, a 90 minutos de trem-bala de Tóquio e a 88 quilômetros da usina.

+ Moradora de Fukushima diz: 'Perdemos nossa cidade, perdemos nossa vida'

Depois do acidente, Fukushima recebeu muitos visitantes na categoria “dark tourism”, pessoas que gostam de conhecer locais de massacres ou tragédias. Agora, luta para voltar a ter uma vida normal.

Entre suas principais atrações estão paisagens de campos e montanhas cobertas por cerejeiras, além de sítios históricos. Ali estão 150 termas. A região também era conhecida por sua culinária e produção de saquês de primeira linha.

+ Você comeria arroz de Fukushima?

A província tem algumas referências culturais importantes, como a cidade histórica de Aizuwakamatsu, onde fica o Castelo de Tsurugajo, réplica de uma construção de 1384. O prédio tem um museu com armas e objetos dos samurais. Em Fukushima também está o sítio histórico de Ouchijuku, cidade que servia de entreposto comercial no período Edo (1603-1868). As casas alinhadas, com telhados de palha, eram usadas pelos viajantes para descanso e alimentação. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.