ADEM ALTAN / AFP
ADEM ALTAN / AFP

Turquia diz que apenas 2 dos 57 ataques russos foram contra Estado Islâmico

Premiê turco acusou Moscou de atacar a oposição moderada na Síria e reiterou que não fará ‘concessões’ sobre as violações de espaço aéreo na fronteira síria

O Estado de S. Paulo

07 Outubro 2015 | 10h05

ANCARA - O primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, disse nesta quarta-feira, 7, que somente dois dos ataques aéreos russos foram contra o grupo jihadista Estado Islâmico (EI) na Síria, e acusou Moscou de atacar a oposição moderada no país.

“Somente 2 dos 57 ataques da Rússia foram contra o Daesh” (nome árabe para Estado Islâmico) e os outros foram contra a oposição moderada na Síria, apoiada pela Turquia e pelos EUA, afirmou Davutoglu para a imprensa.

Os números foram obtidos por serviços turcos de inteligência militar, explicou o premiê. “Se a oposição síria é enfraquecida, o Daesh se fortalece”, disse o premiê. “Se houver uma luta contra o Daesh, seguiremos juntos.”

O chefe do governo destacou também que a Turquia não fará “concessões” sobre as violações de seu espaço aéreo na fronteira síria por caças russos. “Não faremos concessões sobre a segurança de nossas fronteiras e de nosso espaço aéreo”, disse Davutoglu em referência às tensões entre Turquia, membro da Otan, e Rússia, envolvida militarmente na guerra na Síria.

Davutoglu destacou que a crise síria não é uma crise russo-turca e que também não quer transformá-la em uma crise entre a Rússia e a Otan.

"Turquia e Rússia não têm interesses contrários; nossas relações são muito importantes e protegê-las deveria ser prioridade para todos", disse o primeiro-ministro, cujo mercado energético depende em grande parte do gás natural fornecido pela Rússia

“Discutimos (sobre as violações) com os russos de uma maneira franca e amável. Esperamos que a Rússia leve em consideração as preocupações com a segurança da Turquia”, ressaltou o premiê. /AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.