Assine o Estadão
assine

Internacional

Ucrânia

Ucrânia: Separatistas manterão luta contra governo

Separatistas pró-Rússia prometeram, neste domingo, continuar lutando contra o governo ucraniano, em Donetsk, a maior cidade do leste da Ucrânia, onde eles se reagruparam hoje, depois de serem expulsos de Slovyansk, um reduto importante.

0

Agência Estado

06 Julho 2014 | 17h45

Em uma manifestação na praça central de Donetsk, os rebeldes foram aplaudidos por milhares de simpatizantes com bandeiras da Rússia e da República do Povo de Donetsk, proclamada recentemente. Muitos instaram o presidente russo, Vladimir Putin, a vir rapidamente em seu auxílio - mas não houve nem resposta do governo da Rússia.

Embora a retirada, ontem, dos rebeldes de Slovyansk, uma cidade de 100 mil habitantes que estava sendo controlada por eles há meses, não tenha sido uma vitória total, o presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, disse que a expulsão dos insurgentes da cidade tinha "uma incrível importância simbólica". Não ficou claro se o governo, depois de abandonar um cessar-fogo na semana passada e voltar à ofensiva - estava ganhando agora a luta que tem se desenrolado por meses.

Os combatentes rebeldes de Slovyansk podiam ser vistos, hoje, caminhando através de Donetsk em grupos de 10 a 15 pessoas. A maioria ainda vestia roupas de camuflagem, mas alguns ostentavam novos shorts e camisas idênticas de cores brilhantes. Foi um esforço mal sucedido para se misturar com a população civil, visto que ainda carregavam armas automáticas.

Em uma loja de câmbio no centro da cidade, cerca de 20 rebeldes formavam uma fila para trocar dólares por grívnias ucranianas. O dólar é considerado uma moeda mais estável que as divisas da Ucrânia e da Rússia, mas não se sabe quem forneceu a moeda dos EUA aos rebeldes.

O ministro da Defesa da República do Povo de Donetsk, Igor Girkin, disse ao canal de televisão russo Life News que ele coordenaria agora a luta em Donetsk. "Nós continuaremos as operações de combate e tentaremos não cometer os mesmos erros que cometemos no passado", afirmou Girkin, um russo que também é conhecido por seu nome de guerra, Igor Strelkov. As autoridades ucranianas o identificaram com um veterano da agência de inteligência militar russa. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre: