Carlos Barria/Reuters
Carlos Barria/Reuters

UE afirma que 'toma nota' do ultimato de Trump ao acordo nuclear com Irã

Como primeiro passo, Reino Unido, França e Alemanha coordenarão com outros países do bloco uma avaliação conjunta

O Estado de S.Paulo

13 Janeiro 2018 | 09h20

BRUXELAS - A União Europeia (UE) afirmou neste sábado, 13,  que 'toma nota' do ultimato do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, aos países europeus pelo acordo nuclear de 2015 com o Irã, que ameaçou abandonar se não for modificado.

A UE indicou que, "como primeiro passo, Reino Unido, França e Alemanha coordenarão com outros países da UE uma avaliação conjunta" do anúncio e 'das suas implicações', informou um comunicado do porta-voz da chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini.

Ao mesmo tempo, a UE reiterou seu 'compromisso a continuar com uma efetiva e total aplicação do acordo nuclear'.

Nesta sexta-feira, 12, Trump estendeu pela 'última' vez a suspensão de sanções ao Irã com base no acordo nuclear de 2015, e deu um ultimato aos seus aliados na Europa para que negociem com ele e corrijam o que considera 'defeitos' desse pacto, sob a pena de os EUA se retirarem do mesmo.

A advertência de Trump coincidiu com o anúncio de novas sanções que não estão relacionadas com o acordo nuclear, mas com 'graves' abusos aos direitos humanos e com a proliferação de armas, e que afetam 14 indivíduos e entidades do Irã, entre eles o chefe do Poder Judiciário, o aiatolá Sadeq Larijani.

Trump decidiu manter ativo um mecanismo que suspende temporariamente as sanções ao Irã por seu programa nuclear, algo sobre o que o presidente dos Estados Unidos deve pronunciar-se a cada 120 dias por imperativo legal.

+++ Trump mantém EUA em pacto nuclear com Irã, mas Washington anuncia novas sanções

Mas fez isso com o aviso de que, se a Europa não negociar com ele para modificar o acordo nos próximos quatro meses, ordenará a volta da imposição das sanções nucleares quando terminar o novo prazo de 120 dias, que caduca no próximo dia 12 de maio. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.