1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

UE enviará socorro  de 300 milhões de euros à Grécia por refugiados

- Atualizado: 02 Março 2016 | 22h 30

Ajuda a países que são porta de entrada do bloco chegará a 700 mi de euros até 2018; fluxo de imigrantes para o país aumentou

PARIS - Pressionada por uma nova e iminente explosão da crise imigratória nos Bálcãs, a União Europeia anunciou nesta terça-feira, 2, que pretende liberar o montante de € 300 milhões em 2016 para investimentos na Grécia e outros países afetados pela chegada maciça de refugiados de países como Síria, Iraque e Afeganistão. 

O socorro financeiro, que será aplicado na construção de centros de acolhimento para até 100 mil pessoas em solo grego, é a principal resposta do bloco para o fechamento das fronteiras de países como a Macedônia, por onde os refugiados transitam.

A Grécia é a porta de entrada das pessoas que atravessam o Mar Egeu vindas da Turquia, situação geográfica que expõe o país à crise.

Mãe amamenta bebê enquanto aguarda para entrar com outros migrantes em campo de refugiados na Europa

Mãe amamenta bebê enquanto aguarda para entrar com outros migrantes em campo de refugiados na Europa

No início da semana, o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, protestou contra a iniciativa de países como Áustria, Hungria, Eslovênia e Macedônia, que coordenaram esforços para fechar a passagem de imigrantes, retendo-os em solo grego. 

Na fronteira, na cidade de Idomeni, pelo menos 9 mil pessoas já estão retidas em um campo com capacidade para acolher 1,6 mil. Estima-se que em breve 100 mil terão chegado ao país só em 2016, isso porque o fluxo de chegadas está em torno de 1,8 mil pessoas por dia, segundo Melissa Fleming, porta-voz da Agência das Nações Unidas para Refugiados (Acnur). 

Para enfrentar a crise, Tsipras pediu € 500 milhões para organizar centros de acolhimento e distribuição de ajuda humanitária.

O temor do governo radical de esquerda é de que a Grécia se transforme no “novo Líbano da Europa, um depósito de almas”, segundo a expressão do ministro de Política Imigratória, Ioannis Mouzalas.

Hoje, a UE admitiu o problema e anunciou um pacote financeiro: € 300 milhões em 2016 e outros € 400 milhões divididos entre 2017 e 2018. A medida deve ser homologada pelos chefes de Estado e de governo dos 28 países europeus. “A proposta é tornar os € 700 milhões disponíveis para fornecer ajuda onde ela é mais necessária”, disse o comissário europeu de Ajuda Humanitária, Christos Stylianides. “A ajuda irá em larga medida à Grécia, porque é lá que nós temos a crise humana mais grave.”

A situação é cada vez mais tensa na Grécia, onde os imigrantes forçaram grades construídas pelo governo da Macedônia. Na segunda-feira, tropas de choque voltaram a usar gás lacrimogênio para conter homens, mas também mulheres, crianças e idosos que desejavam seguir caminho em direção à Europa Ocidental. 

Mais cedo, 170 refugiados sírios foram autorizados a passar. “Não temos um instante a perder para deslocar todos os meios possíveis que nos permitam prevenir o desastre humanitário no interior de nossas fronteiras”, advertiu Stylianides.

Refugiados tentam derrubar cerca na Macedônia e polícia lança gás lacrimogêneo contra eles
AFP / LOUISA GOULIAMAKI
Macedônia

A tensão na fronteira greco-macedônia aumentou nesta segunda-feira, 29, após a polícia macedônia utilizar gás lacrimogêneo contra centenas de migrantes que tentavam forçar a cerca fronteiriça para protestar contra o fechamento das fronteiras, uma questão que divide a União Europeia.

Essa será a primeira vez que um país-membro da União Europeia receberá ajuda humanitária para aquisição de alimentos, alojamentos de campanha, cobertores e medicamentos. Até aqui, a ajuda humanitária era destinada à África e à Ásia.

Em Bruxelas, é crescente o temor de explosão da crise imigratória na Europa, com a iminente chegada da primavera.

O tema provoca extrema tensão política interna, já que a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, defende sozinha o acolhimento do maior número possível de refugiados, e sua divisão proporcional pelos países do bloco. Lançada em 2015 pelo presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, a política de cotas não funcionou, boicotada pelos países do Leste. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX