UE pede aos EUA que repensem pena de morte

A União Européia (UE) pediu aos Estados Unidos que derrubem a pena de morte e mostrou-se "profundamente preocupada" com o alto número de execuções levadas a cabo no país. "A União pede ao governo norte-americano que considere a adoção de mais medidas rumo à abolição da pena de morte", dizia uma carta do bloco de 15 países enviada hoje ao Departamento de Estado dos EUA pela Suécia, que atualmente ocupa a presidência rotativa da UE. A carta, divulgada nesta sexta-feira, referia-se à planejada execução de Timothy McVeigh, considerado culpado por um atentado em Oklahoma City, e manifestava preocupação com o fato de os Estados Unidos planejarem cumprir a primeira sentença de morte federal em 38 anos. McVeigh deveria morrer na próxima quarta-feira, por injeção letal, na penitenciária federal de Terre Haute, Indiana, pelo atentado de 19 de abril de 1995, quando morreram 168 pessoas. No entanto, hoje, o secretário de Justiça dos Estados Unidos, John Ashcroft, adiou a execução até 11 de junho e ordenou a abertura de um inquérito para apurar o motivo pelo qual o FBI (polícia federal norte-americana) não entregou milhares de páginas de documentos relacionados ao processo aos advogados de defesa de McVeigh. Em diversas ocasiões, a União Européia expressou sua oposição à pena de morte em muitos países e há tempos pede aos Estados Unidos que interrompam as execuções. As autoridades estaduais norte-americanas já ordenaram 712 execuções desde que a Suprema Corte dos EUA voltou a permitir a sentença de morte, em 1977.

Agencia Estado,

11 Maio 2001 | 20h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.