1. Usuário
Assine o Estadão
assine

UE pressionará Ucrânia a realizar eleições antecipadas

Agência Estado

20 Fevereiro 2014 | 10h 02

Importantes autoridades da União Europeia pressionarão o presidente ucraniano Viktor Yanukovych na quinta-feira para que realize eleições antecipadas numa tentativa de melhorar a situação no país e diminuir a violência nas ruas de Kiev. "Eleições antecipadas, tanto presidenciais quanto parlamentares, são pontos básicos para destravar a crise e pôr um fim à violência na Ucrânia", disse um diplomata europeu.

Na manhã desta quinta-feira, o ministro de Relações Exteriores francês Laurent Fabius disse que não via outra opção a não ser a realização de novas eleições. "Quando temos uma situação travada como esta, precisamos nos voltar ao povo."

Autoridades da UE já haviam declarado que eleições parlamentares antecipadas poderiam ajudar a resolver a situação. Qualquer decisão para a realização de eleições presidenciais antecipadas representariam uma significativa mudança e destacaria os temores europeus a respeito da situação na Ucrânia.

Os ministros de Relações Exteriores da França, Alemanha e Polônia deveriam se reunir com Yanukovych para iniciar sérias negociações com a oposição e buscar alterações constitucionais para o estabelecimento de uma democracia genuína, afirmou a fonte diplomática.

O ministro de Relações Exteriores alemão Frank-Walter Steinmeier, seu colega francês Laurent Fabius e o chefe da diplomacia polonesa Radoslaw Sikorski deveriam se reunir com Yanukovych em meio à caótica situação em Kiev, onde novos confrontos tiveram início na manhã desta quinta-feira.

Uma porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da Alemanha disse que os ministros estavam no interior do palácio presidencial. Sikorski havia dito mais cedo em sua conta no Twitter que detonações e disparos podiam ser ouvidos nas proximidades do palácio presidencial. Segundo ele, as autoridades estavam em "pânico".

A delegação europeia deve voltar a Bruxelas na tarde desta quinta-feira, onde vai se reunir com todos os ministros de Relações Exteriores do bloco para discutir a crise na Ucrânia e a possível adoção de sanções contra o país. O primeiro-ministro francês Jean-Marc Ayrault disse esperar que os ministros da UE imponham sanções "graduais e específicas".

Em sua conta no Twitter, Fabius disse que as sanções estudadas são a suspensão de vistos para algumas altas autoridades ucranianas assim como o congelamento de seus ativos. Fonte: Dow Jones Newswires.