UE refuta pressão de Israel em decisão sobre Jerusalém

A União Europeia disse que Israel não deve fazer o jogo de "dividir para governar" com os 27 integrantes do bloco europeu. A mensagem se refere à recente resolução da UE, que sugere que Jerusalém se torne a capital tanto de Israel quanto de um futuro Estado da Palestina.

AE-AP, Agencia Estado

10 Dezembro 2009 | 19h43

O ministro de Relações Exteriores da Suécia, Carl Bildt, cujo país está na presidência rotativa da UE, disse hoje que o bloco estava unido e não "permanece tímido" sobre uma questão tão importante.

A adoção pela UE da nova resolução anteontem deu início a uma irritada reação de Israel, que tomou a parte oriental de Jerusalém em 1967 e considera a cidade sua capital eterna e indivisível. Os palestinos querem a área como parte de um futuro Estado independente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.