1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Últimas jogadas de xadrez na Venezuela

- Atualizado: 09 Fevereiro 2016 | 09h 10

Só uma transição negociada entre o governo e a oposição é capaz de evitar a iminente conflagração social

Às 9h30 de uma quinta-feira, seis venezuelanos aguardam para realizar um tour guiado pelo antigo museu militar que atualmente abriga o mausoléu de Hugo Chávez, o presidente populista que governou o país entre 1999 e 2013. Do outro lado da rua, cerca de 120 pessoas fazem fila num supermercado estatal para comprar alimentos pela tabela oficial de preços. A fila começa a ser formar às 3 da madrugada. “Às vezes a gente consegue comprar alguma coisa, às vezes não”, diz uma pessoa na fila.

Nesse bairro de Caracas, que já foi um bastião do chavismo, a mística do ex-presidente vem perdendo brilho em meio à luta diária pela sobrevivência. Ficaram para trás os dias em que Chávez podia fazer uso das abundantes reservas de petróleo do país para impor sua “revolução bolivariana” - uma mistura de subsídios indiscriminados, controles de preços e câmbio, programas sociais, expropriações e corrupção em larga escala. O colapso dos preços do petróleo revelou a gigantesca fraude que jazia por trás da revolução.

No mês passado, o governo venezuelano admitiu que nos 12 meses encerrados em setembro, a economia sofreu contração de 7,1% e a inflação chegou a 141,5%. Até mesmo Nicolás Maduro, o malfadado herdeiro e sucessor de Chávez, disse que os números são “catastróficos”. Para o Fundo Monetário Internacional, a situação ainda vai piorar: seus técnicos calculam que a inflação atingirá 720% este ano e a economia encolherá 8%, depois de ter recuado 10% em 2015. O Banco Central venezuelano vem emitindo moeda para cobrir grande parte de um déficit fiscal que corresponde a aproximadamente 20% do PIB.

O governo está sem dólares: as reservas internacionais baixaram para apenas US$ 1,5 bilhão, estima José Manuel Puente, economista da escola de administração IESA, de Caracas. Se é verdade que todas as nações produtoras de petróleo estão passando por dificuldades, a Venezuela é uma das únicas que não dispõe de provisões para enfrentar o período de preços baixos.

O resultado é um estado de penúria de que só se salvam algumas poucas autoridades privilegiadas e os parasitas que vivem em seu redor. Os salários reais tiveram queda de 35% no ano passado, calcula o consultor Asdrúbal Oliveros. Segundo levantamento realizado por um grupo de universidades, 76% dos venezuelanos vivem atualmente em situação de pobreza, frente a 55% em 1998. 

A indústria farmacêutica alerta que os estoques de medicamentos recuaram a 20% de seus níveis normais. Muitos remédios estão em falta; o que vem causando a morte de doentes. Em Caracas, a cada semana que passa, aumentam as filas para a compra de alimentos nos estabelecimentos estatais. A escassez deve se agravar ainda mais em março, aflige-se um executivo do setor de alimentos. A criminalidade está fora de controle.

A insatisfação crescente desembocou na vitória da oposição nas eleições de dezembro para a Assembleia Nacional. Sobreveio o impasse. Chávez transformou as instituições do Estado venezuelano - incluindo o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) - em apêndices do Poder Executivo. No fim de novembro, antes de perder o controle do Legislativo, os parlamentares chavistas aprovaram a substituição legalmente duvidosa de 13 magistrados do TSJ, que semanas depois impugnou a candidatura de quatro deputados, retirando da oposição a maioria de dois terços necessária à aprovação de emendas constitucionais. Maduro não dá sinais de estar disposto a mudar o rumo de seu governo. No mês passado, ele baixou um decreto de “emergência econômica”, revogado uma semana depois pelos novos deputados, que basicamente aumentava seu controle sobre a economia. O governo parece paralisado, vítima da indecisão e de conflitos internos.

O presidente da Assembleia Nacional, Henry Ramos Allup, deu um prazo de seis meses a Maduro para que ele acabe com a crise econômica. Do contrário, o líder oposicionista ameaça destituir o presidente constitucionalmente. Em tese, os meios disponíveis para isso incluem a realização de um referendo revogatório, a aprovação de uma emenda abreviando os seis anos do mandato presidencial ou a convocação de uma Assembleia Constituinte. Na prática, o TSJ e o Conselho Nacional Eleitoral, ambos controlados pelos chavistas, podem obstruir ou retardar indefinidamente essas iniciativas. Por isso, diz Ramos Allup, a primeira coisa que a Assembleia Nacional precisa fazer é promover a substituição dos 13 magistrados recém-nomeados - uma medida que o próprio TSJ se encarregará de vetar.

O custo do impasse é alto. Brigas nas filas para a compra de alimentos e ondas localizadas de saques são ocorrências diárias. “Estamos a um passo de uma situação que o governo não vai ter como controlar. É uma linha muito tênue”, diz o moderado Henrique Capriles, oposicionista que em 2013 perdeu a eleição presidencial para Maduro por pequena margem de votos.

A maioria dos oposicionistas e alguns chavistas acreditam que uma transição negociada é a única maneira de evitar que a situação descambe num conflito sangrento. Não é preciso pensar muito para delinear os contornos gerais de um acordo desse tipo: o regime teria de conceder anistia aos presos políticos e concordar em restaurar a independência do Judiciário, da autoridade eleitoral e de outros poderes. Em troca, a oposição precisaria dar seu apoio a medidas fundamentais, ainda que certamente impopulares, para estabilizar a economia.

Ramos Allup diz que há “algumas conversas” em curso, mas não um diálogo formal. Nas ruas, o tempo está se esgotando. Muitos na oposição dizem que o preço de um acordo é a renúncia de Maduro, seguida de uma eleição ou de sua substituição por Aristóbulo Istúriz, um chavista moderado que assumiu recentemente o cargo de vice-presidente do país. Mas Maduro concordaria com isso? O presidente parece paralisado pela ideia de que sua renúncia seria uma traição ao legado de Chávez. Mas o fato é que o que resta do chavismo estaria melhor sem ele. / TRADUÇÃO DE ALEXANDRE HUBNER 

© 2015 THE ECONOMIST NEWSPAPER LIMITED. DIREITOS RESERVADOS. TRADUZIDO POR ANNA CAPOVILLA, PUBLICADO SOB LICENÇA. O TEXTO ORIGINAL EM INGLÊS ESTÁ EM WWW.ECONOMIST.COM.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX