Uma cronologia para ajudar a entender o caso David Kelly

Foi a BBC que primeiro revelou as informações sobre uma possível maquiagem do dossiê usado pelo governo Tony Blair para justificar a necessidade de guerra contra o Iraque. O informante da BBC ? argumentou o governo da Grã-Bretanha ? deve ter sido David Kelly, o funcionário do Ministério da Defesa especialista em armas do Iraque. David Kelly desapareceu ontem. Durante a procura por Kelly, a polícia encontrou hoje um corpo cujas vestimentas se assemalham com as roupas que Kelly estava usando ao sair de casa. Veja um resumo dos principais acontecimentos do impasse entre o governo britânico e a BBC sobre a possível ´maquiagem´ do dossiê: 29 de maio: Andrew Gilligan, especialista em defesa da BBC, diz no programa Today da rádio 4 da BBC que uma fonte - um graduado funcionário britânico - disse a ele que o dossiê do governo sobre o Iraque, publicado em setembro passado, teria sido alterado contra a vontade dos serviços de inteligência. 1º de junho: Gilligan escreve no jornal Mail on Sunday que Alastair Campbell, diretor de comunicações do primeiro-ministro britânico, Tony Blair, era o responsável por inserir no dossiê a alegação de que o Iraque poderia ativar suas armas em 45 minutos. 19 de junho: Gilligan presta depoimento no inquérito aberto pelo Comitê de Assuntos Estrangeiros da Câmara dos Comuns para investigar as justificativas apresentadas pelo governo para a guerra no Iraque. 25 de junho: Em depoimento ao Comitê, Alastair Campbell nega veementemente as alegações. Ele exige um pedido de desculpas da BBC. 26 de junho: Campbell escreve à BBC para reforçar sua exigência de um pedido de desculpas. 27 de junho: A BBC rejeita a demanda e reforça seu apoio à reportagem do programa Today. Campbell responde, dizendo que a BBC "não tem um fio de prova para a mentira". 28 de junho: Campbell vai ao Channel 4 News, programa de notícias da TV Channel 4, e reafirma suas exigências de um pedido de desculpas. 7 de julho: O Comitê de Assuntos Estrangeiros publica seu relatório. O texto exime Campbell - por decisão de voto de desempate do presidente, o parlamentar Donald Anderson, do Partido Trabalhista-, mas diz que "proeminência indevida" foi dada à alegação dos 45 minutos. 8 de julho: O Ministério da Defesa diz que um funcionário - mais tarde nomeado como David Kelly - se apresentou para dizer que se encontrara com Gilligan e discutira a questão das armas do Iraque em 22 de maio. 15 de julho: Kelly presta depoimento ao Comitê de Assuntos Estrangeiros que havia reaberto o inquérito. 17 de julho: Gilligan presta novo depoimento ao comitê, em sessão fechada. Ele é criticado por não revelar sua fonte aos parlamentares e acusado de mudar sua versão pelo presidente do comitê, Donald Anderson. Gilligan nega veementemente a acusação e a BBC defende sua recusa em dar o nome de sua fonte. 17 de julho: Kelly deixa sua casa em Oxfordshire às 15h (11h em Brasília), dizendo que saia para uma caminhada. Kelly não volta para casa e a família dele entra em contato com a polícia às 23h45m (19h45m em Brasília). 18 de julho: A polícia conclui buscas iniciais na casa e nos arredores, sem encontrar Kelly. 09h20m (05h20m em Brasília) : A polícia diz ter encontrado o corpo de um homem, que ainda não foi identificado. Mas diz que as roupas encontradas se assemelham à vestimenta que Kelly estava usando ao sair de casa. As informações são do site da BBC em português. Para ler o noticiário da BBC, que é parceira do estadao.com.br, clique aqui. Para ler mais sobre o caso: »Casa Branca libera documentos da CIA vinculados ao caso do Iraque »Secretaria da Defesa diz que David Kelly falou mesmo com BBC »Escritório de Blair quer investigar caso do especialista em armas »Polícia avança na identificação de corpo de perito em armas britânico »Encontrado corpo na busca por especialista em armas do Iraque

Agencia Estado,

18 Julho 2003 | 16h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.