Vazamento no Golfo força cooperação entre EUA e Cuba

Autoridades dos Estados Unidos e de Cuba estão conversando sobre como enfrentar o enorme vazamento de petróleo no Golfo do México. Após a explosão e naufrágio da plataforma Deepwater Horizon, cerca de 5 mil barris de petróleo vazam diariamente, e as correntes marítimas podem levar a mancha de óleo para o arquipélago de Florida Keys e para as praias virgens ao longo da costa norte de Cuba.

AE-AP, Agência Estado

19 Maio 2010 | 20h04

As informações sobre o diálogo foram divulgadas por dois funcionários do Departamento de Estado norte-americano. Trata-se de um raro momento de cooperação entre os dois países, presos a um conflito há mais de meio século.

"Eu posso confirmar que elas (as negociações) estão em andamento em nível funcional", disse o porta-voz do Departamento de Estado, Gordon Duguid, em Washington. "Cabe a nós informar todos os nossos vizinhos, não apenas as ilhas, mas aqueles países que podem ser afetados pelo desastre que acontece em nossas águas territoriais."

Duguid disse que o Escritório de Interesses dos Estados Unidos em Havana também entregou uma nota diplomática nesta quarta-feira para informar o governo cubano sobre o vazamento e o que se sabe sobre seus movimentos previstos. Washington mantém um escritório em Cuba em vez de uma embaixada. "Nós fornecemos informações relacionadas à causa do vazamento, enfatizando que a interrupção do vazamento é nossa principal prioridade e explicamos os movimentos esperados", disse Duguid. "Nós também comunicamos nos Estados Unidos para manter uma linha clara de comunicação com o governo cubano sobre os acontecimentos."

Não está claro se os Estados Unidos ofereceram assistência para Havana no caso de o vazamento chegar às praias cubanas, ou se as autoridades aceitariam tal ajuda. Em 2005, o então presidente Fidel Castro ofereceu aos Estados Unidos assistência médica após o furacão Katrina, incluindo o envio de médicos cubanos para cuidar das vítimas. O Departamento de Estado recusou a oferta. Não houve comentários imediatos das autoridades cubanas sobre as conversações a respeito do vazamento de óleo.

Vazamento

Cientistas Administração Atmosférica e Oceânica Nacional, nos EUA, disseram hoje que uma pequena porção da mancha de óleo do vazamento no Golfo do México atingiu uma poderosa corrente marítima que pode levá-lo à Flórida.

A agência disse que o óleo estaria "bastante diluído" e pode evaporar antes de chegar à Flórida e que pode até não chegar ao Estado. Mas cientistas disseram que o óleo diluído pode aparecer em locais isolados se ventos persistentes empurrarem a corrente na direção da Flórida.

Mais conteúdo sobre:
petróleo vazamento ambiente EUA Cuba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.