Venezuela fecha parte da fronteira com a Colômbia

A morte de dois agentes da Guarda Nacional da Venezuela, ontem, provocou o fechamento de uma parte da fronteira do país com a Colômbia, segundo a estatal "Venezolana de Televisión". A dupla foi morta por desconhecidos, que chegaram disparando contra um posto de controle perto do povoado venezuelano de Ureña, no Estado de Táchira, noroeste do país. Ainda não foi informado quando a fronteira será totalmente reaberta.

AE-AP, Agencia Estado

03 Novembro 2009 | 13h31

O posto de controle fica perto do Estado colombiano de Norte de Santander. O crime ocorreu por volta das 15h30, quando os dois militares foram atacados "por dois sujeitos que, sem proferir palavras, passaram pelo ponto de controle e o atacaram com armas", segundo comunicado do Corpo de Investigações Científicas Penais e Criminais (CICPC), um órgão federal venezuelano. As vítimas foram identificadas como dois sargentos.

O CICPC e a Guarda Nacional afirmaram que os criminosos devem ter passado em seguida para o território colombiano, "mas de imediato foi fechada a fronteira". Entre os pontos cuja passagem foi bloqueada estão a Ponte Francisco de Paula Santander e a Ponte Internacional Simón Bolívar, esta a principal via terrestre de comunicação entre os países.

Segundo o jornal colombiano "El Tiempo", as autoridades venezuelanas atribuíram o crime a uma represália, pela captura, na sexta-feira, de dez supostos paramilitares no município de San Antonio. O diário lembra ainda o momento de tensão bilateral, após a morte em outubro de nove colombianos no país vizinho, também em Táchira. O crime levou a trocas de acusações entre os dois governos.

A Venezuela e a Colômbia têm uma fronteira comum de 2.300 quilômetros, em uma região de atuação de delinquentes e também de grupos irregulares armados. O isolamento da zona faz com que existam problemas com narcotráfico, tráfico de combustível e sequestros, entre outros crimes.

Mais conteúdo sobre:
Venezuela Colômbia fronteira fechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.