1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Veto a decreto de Maduro pavimenta caminho para oposição impor agenda

- Atualizado: 23 Janeiro 2016 | 18h 21

Mesa da Unidade Democrática iniciará tramitações no Legislativo após afastar possibilidade de Emergência Econômica que daria amplos poderes a presidente

Venezuelanos sofrem com escassez de alimentos e outros itens essenciais, formando filas para compras
Venezuelanos sofrem com escassez de alimentos e outros itens essenciais, formando filas para compras

A derrota do chavismo na rejeição ao decreto de Emergência Econômica do presidente Nicolás Maduro abre caminho para a oposição implementar sua agenda parlamentar na Venezuela. Sem a maioria na Assembleia, Maduro viu no decreto a chance de ‘driblar’ os controles de um Legislativo ineditamente hostil, em um cenário de crise. O presidente, agora, aposta no respaldo do Judiciário para anular futuros revezes.

Desde a campanha para as eleições parlamentares de 6 de dezembro, a coalizão opositora Mesa de Unidade Democrática (MUD) listou uma série de projetos que pretendia aprovar caso obtivesse o controle da Assembleia Nacional. A primeira delas, que já conta com uma comissão em andamento, é a Lei de Anistia, que pretende libertar líderes da MUD presos desde a série de protestos conhecidas como “A saída”, que em 2014 pediu a saída de Maduro. Entre eles, estão o prefeito metropolitano de Caracas, Antonio Ledezma e o líder do Voluntad Popular, Leopoldo López.

“Governo e oposição disputam um jogo de xadrez no qual cada peça é movida com cuidado. A oposição venceu a última jogada e o próximo movimento é a aprovação da Lei de Anistia”, disse ao Estado a socióloga Margarita López Maya, da Universidade Central da Venezuela (UCV).

“Do lado chavista, eles contarão com o respaldo do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) para tentar passar por cima da decisão da Assembleia Nacional.”

Outras leis que estão nos planos da MUD são a desburocratização do abastecimento de alimentos, com o objetivo de amenizar a escassez de produtos essenciais, a reversão das expropriações e estatizações de empresas ordenadas pelo chavismo e uma reforma na lei de pensões e aposentadorias para aumentar os vencimentos.

Para o diretor do Instituto Datanálisis, o sociólogo Luís Vicente León, constitucionalmente seria difícil para o TSJ passar por cima de uma decisão da Assembleia, a quem, pela lei, cabe a última palavra sobre o decreto. No entanto, haveria margem de manobra para o chavismo, com maioria na Corte.

“O TSJ não pode ressuscitar o decreto sem a AN, mas pode dar legalidade a algumas ações pedidas pelo governo”, disse. “Mas, com decreto ou sem decreto, a economia vai ladeira abaixo e sem freio.”

Manobra. Analistas acreditam que o decreto pedido por Maduro foi uma tentativa chavista de evitar submeter-se ao controle de um Parlamento hostil. Desde a chegada de Hugo Chávez ao poder, o governo bolivariano teve maioria parlamentar que concedia poderes especiais ao presidente na forma de Lei Habilitante – um dispositivo presente na Constituição Venezuelana desde antes do chavismo – sempre que requisitado.

Em minoria, Maduro dificilmente obteria uma habilitante. Com a economia em frangalhos e o petróleo venezuelano se aproximando dos US$ 20, o presidente queria poderes para mexer no Tesouro sem ter de prestar contas à Assembleia.

“Maduro tentou obter um poder discricional para manejar a economia assim como fez ano passado (quando o Parlamento de maioria chavista lhe concedeu uma Lei Habilitante), mas as propostas que fez desta vez são praticamente as mesmas”, disse a analista da UCV.

Projetos da MUD

Lei de Anistia

Primeira iniciativa a ser tomada pela Assembleia Nacional, deve aprovar a libertação de líderes opositores presos nos protestos contra Maduro, como Antonio Ledezma e Lepoldo López.

Lei do Abastecimento

Propõe eliminar as travas burocráticas à importação de alimentos e estabelecer incentivos para a compra de outros bens de primeira necessidade como itens de higiene e remédios.

Lei Contra a Expropriação

Promete reverter as estatizações promovidas pelo chavismo com o objetivo de criar um ambiente que acolha investimentos externos para incentivar a produção interna.

Lei da Proteção Salarial

Objetivo da lei é repor as perdas salariais impostas a aposentados e pensionistas pela inflação e reajuste de tarifas de serviços públicos feitas nos últimos meses no país.

Lei de Mídia

Pretende assegurar o equilíbrio informativo de meios de comunicação públicos para eliminar a hegemonia midiática chavista e a parcialidade dos veículos de imprensa do Estado.

Lei de Segurança Policial

Coordenar os trabalhos das polícias municipais e estaduais – em alguns locais comandadas por governos da MUD – com a Polícia Nacional Bolivariana, que responde a Maduro.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX