Jenn Ackerman/The New York Times
Jenn Ackerman/The New York Times

Veto de Trump afeta 15 mil do 'mais médicos' americano

Profissionais nascidos no estrangeiro têm sido cruciais para prestar assistência de saúde nos EUA; eles atuam em pequenas cidades onde não há médicos, além de vizinhanças pobres urbanas e hospitais de associações de veteranos de guerra

O Estado de S. Paulo

08 Fevereiro 2017 | 17h22

A administração Trump tem feito uma vigorosa defesa de seu veto de viagem a cidadãos de sete nações de maioria muçulmana, dizendo que ele é necessário para impedir que terroristas entrem nos Estados Unidos. Mas o veto, agora bloqueado por um juiz federal, também impediu o trânsito de um importante grupo de viajantes para o bem-estar de muitos americanos: médicos.  

Esses profissionais nascidos no estrangeiro têm sido cruciais para prestar assistência de saúde nos EUA. Eles trabalham em pequenas cidades onde não há médicos, além de vizinhanças pobres urbanas e hospitais de associações de veteranos de guerra. 

Quarenta e dois por cento das visitas médicas realizadas às zonas rurais americanas são de médicos estrangeiros, de acordo com a Academia Americana de Médicos Familiares. 

Médicos estrangeiros atuam nas "pequenas cidades do Maine e Iowa", disse a médica Patricia F. Walder, diretora-associada do programa Global Health Pathway, da Universidade de Minnesota, que ajuda médicos refugiados a praticar nos EUA. "Eles vão a locais onde os graduados da Escola de Medicina de Harvard não querem ir", diz ela. 

Em todos os EUA, há mais de 15 mil médicos que são de um dos sete países de maioria muçulmana que foram alvo do veto de viagem de Trump, de acordo com o Medicus Firm, uma empresa que recruta médicos para ocupar vagas difíceis de se preencher. Nesse grupo, estão 9 mil médicos do Irã, quase 3,5 mil da Síria e mais de 1,5 mil do Iraque. 

O médico Hooman Parsi, um talentoso oncologista que recebeu o Visto O-1, concedido a pessoas com "extraordinária habilidade ou sucesso", começaria a ver pacientes nesta quarta-feira, 8, em San Bernardino, Califórnia. 

Um juiz federal de Seattle bloqueou o veto de viagem da administração na sexta-feira, o governo federal entrou com uma apelação, mas a Corte ainda não deu seu veredicto. Parsi continua no Irã, sem poder viajar, aguardando pela entrega do seu visto que foi atrasada em meio à recente confusão, enquanto seus empregadores americanos se revoltam. 

"Precisamos dele desesperadamente", disse o médico Richy Agajanian, gerente do Oncology Institute of Hope and Innovation, que acabara de contratar Parsi. 

"Temos um consultório completamente construído, passamos três meses trabalhando nele, e deveríamos tê-lo aberto no dia 1º. Agora, não podemos abri-lo. Isso é muito triste e frustrante." 

A clínica formada por 30 médicos tem muito trabalho em Inland Empire, San Bernardino e Riverside, explicou Agajanian. "É muito raro médico por ali, muitos quilômetros até um oncologista", disse. "Os pacientes que ele atenderia agora terão de viajar mais de 40 quilômetros para se consultar. Nossos médicos já estão sobrecarregados e agora terão de dar plantão com mais frequência." 

Os EUA têm um persistente desfalque de médicos, ainda que pelo menos 31 novas escolas de medicina tenham sido abertas no país desde 2002 e muitas outras já existentes aumentaram suas turmas, de acordo com o Merritt Hawkins, um escritório de recrutamento médico com sede em Dallas. 

Também explica que há 22% de vagas de residência disponíveis a mais a cada ano com relação ao número de americanos graduados para ocupá-las. Formados de escolas de medicina no estrangeiro agora preenchem essa lacuna; o maior número vem da Índia, seguido de Paquistão, China, Filipinas, Irã e Israel. (Irã está na lista de exclusão de Trump; o Paquistão, um país de maioria muçulmana com um histórico de ataques terroristas internos e externos, não). 

Muitos graduados estrangeiros têm o Visto J-1, que dá a eles cerca de três anos para completar suas residências. "Eles têm de passar pelo exame que dá a licença para atuar e fazer a residência para poder praticar aqui, mesmo se forem os melhores médicos em seus países de origem", disse Phillip Miller, um porta-voz do Merritt Hawkins. 

Os graduados estrangeiros geralmente trabalharam em instituições de classes internacionais e publicaram artigos acadêmicos, têm uma nota média mais alta que os estudantes americanos na parte de conhecimento médico nos exames de licença, de acordo com uma pesquisa do Merritt Hawkins, ainda que a maioria, inicialmente, tenha baixas notas em atendimento clínico, que incluem conhecimento de inglês e comunicação. 

"Eu tive de trabalhar duro para estar aqui", disse o médico Abdelghani el Rafei, o residente de primeiro ano na Universidade de Minnesota. "Eles apenas escolhem os melhores estudantes nas escolas em seus países de origem." 

Esses estudantes estrangeiros têm de retornar para seus países quando seu visto expira, mas eles podem permanecer por mais tempo se concordarem em trabalhar em áreas que o Departamento de Saúde e Serviços Humanos consideram "subatendidas de médicos", geralmente definidas como tendo menos de um médico para cuidados primários a cada 3 mil pessoas. 

Aqueles que atendem nessas áreas por alguns anos podem aplicar para obter o green cards. "Depois disso, eles podem atender em qualquer lugar, mas pelo menos a cidade terá três ou quatro anos de atendimento de um médico, o que é bastante significante", afirmou Miller. 

"Todo mundo, incluindo eu, gostaria de ver as 'pessoas más' fora (dos EUA)", disse o médico Naeem Moulki, cidadão sírio que está terminando sua residência médica em Minneapolis e planeja iniciar uma especialização em cardiologia em Chicago. "Mas essa não é a melhor maneira de fazer isso. Se eu tiver de ir embora, isso afetará meus pacientes." 

Citando números do Conselho de Medicina de Iowa, o jornal Des Moines Register afirmou que até a última semana 172 médicos que atuavam em Iowa eram dos países barrados pelo veto, e 23% dos 13 mil médicos do Estado nasceram fora dos EUA. 

Andrea Clement, porta-voz do Medicus, disse que 76% dos médicos estrangeiros empregados no ano passado foram para áreas com menos de 25 mil pessoas ou para cidades de pequeno e médio porte, entre 25 mil e 500 mil.  O Wisconsin foi o Estado que mais empregou médicos estrangeiros, seguido de Califórnia, Texas, Maryland, Oregon, Missouri, Tennessee, Ohio e Arizona. 

Algumas áreas urbanas não têm a quantidade de médicos de que necessita também. Enquanto o Upper East Side em Manhattan tem cinco vezes o número de médicos de que necessita segundo as diretrizes federais, partes do Bronx e Brooklyn têm falta aguda de médicos. / The New York Times 

Mais conteúdo sobre:
Estados Unidos Donald Trump

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.