Kimimasa Mayama/EFE
Kimimasa Mayama/EFE

Vice-presidente dos EUA adverte Coreia do Norte que 'espada está pronta'

Em visita ao Japão, Mike Pence prometeu uma resposta eficaz a qualquer uso de armas, nucleares ou não, por Pyongyang

O Estado de S.Paulo

19 Abril 2017 | 06h17
Atualizado 19 Abril 2017 | 08h23

YOKOSUKA, JAPÃO - Do convés de um gigantesco porta-aviões, o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, recomendou nesta quarta-feira, 19, que a Coreia do Norte não teste o Exército americano. Em visita ao Japão, ele prometeu uma resposta eficaz a qualquer uso de armas, nucleares ou não, pelo país liderado por Kim Jong-un.

Vestindo um uniforme militar verde, Pence discursou a bordo do porta-aviões USS Ronald Reagan. Ele garantiu que o governo de Donald Trump vai manter o esforço com aliados como Japão, China e outras potências globais para exercer pressão econômica e diplomática sobre Pyongyang. 

“Os EUA sempre vão buscar a paz, mas, sob o governo Trump, o escudo está a postos e a espada está pronta”, disse Pence a 2,5 mil marinheiros a bordo do porta-aviões, na base naval americana de Yokosuka, na Baía de Tóquio.

“Aqueles que desafiarem nossos objetivos ou nossa prontidão devem saber que vamos derrotar qualquer ataque e responder ao uso de qualquer arma, convencional ou nuclear, de forma esmagadora e eficaz”, disse.

Pence e o secretário de Defesa dos EUA, Jim Mattis, ressaltaram que o lançamento fracassado de um míssel pela Coreia do Norte foi uma provocação imprudente. O vice-presidente ainda garantiu aos aliados na Ásia que o país está pronto para trabalhar pela desnuclearização pacífica da Península da Coreia.

Mattis denunciou a tentativa de lançamento de míssil ao iniciar uma viagem ao Oriente Médio, informando jornalistas que o acompanhavam que “o líder norte-coreano, mais uma vez, imprudentemente, tentou provocar alguma reação lançando um míssil.” O termo "imprudente” também foi usado pela Coreia do Norte para descrever os treinamentos militares em larga escala conduzidos pelos EUA e a rival Coreia do Sul, ações vistas pelo país como ensaios para uma invasão.

Mattis não identificou o tipo de míssil lançado, mas disse que não tinha alcance intercontinental, ou seja, que não chegaria a atingir o território americano. Ele não avaliou o que pode ter provocado a falha no lançamento. / ASSOCIATED PRESS

Veja abaixo: EUA criticam teste fracassado de míssil norte-coreano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.