Vídeo mostra funcionários da ONU reféns no Afeganistão

Um vídeo que mostra três funcionários internacionais que trabalharam nas eleições afegãs, seqüestrados, foi exibido neste domingo, na evidência mais concreta até o momento de que o trio foi capturado por um grupo dissidente do Taleban. O Jaish-al Muslimeen, ou Exército dos Muçulmanos, que reivindica responsabilidade pelo seqüestro, diz que os reféns serão mortos a menos que a ONU e as tropas britânicas deixem o Afeganistão. Ishaq Manzoor, porta-voz do grupo, afirma que as mortes ocorrerão dentro de três dias. "Como no Iraque, a ONU deve partir", disse Manzoor em entrevista por telefone. Já o suposto líder do grupo, Akbar Agha, declarou mais tarde que não há um prazo final. "Mas queremos uma resposta rápida", insistiu. As imagens, divulgadas pela TV Al-Jazira, mostram três reféns, duas mulheres e um homem, sentados junto a uma parede em local desconhecido. Um porta-voz da ONU confirmou a identidade dos três: Annetta Flanigan da Irlanda do Norte, Angelito Nayan, um diplomata filipino, e Shqipe Habibi, de Kosovo. Manzoor disse que seu grupo exige ainda a libertação de todos os muçulmanos presos em Guantánamo, Cuba, e de Bagram, uma base americana no Afeganistão.

Agencia Estado,

31 Outubro 2004 | 11h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.