Violência no Haiti deixa mais quatro mortos

A morte de quatro jovens numa favela de Porto Príncipe elevou a 79 o número de mortos em um mês de violência política na capital haitiana. Os quatro jovens foram assassinados com um tiros na nuca em Bel Air, uma favela habitada por simpatizantes do presidente deposto, Jean-Bertrand Aristide. O persistente derramamento de sangue tem preocupado a comunidade internacional. Rudy Insanally, ministro das Relações Exteriores da Guiana, disse que, devido à violência e às denúncias de perseguição política, os líderes da Comunidade Caribenha deveriam pensar duas vezes antes de restabelecer as relações com o Haiti, rompidas poucos dias depois da deposição de Aristide, em 29 de fevereiro. O primeiro-ministro interino do Haiti, Gerard Latortue, queixa-se de que Aristide estaria "orquestrando a violência a partir do exílio" na África do Sul. Segundo Latortue, o suposto objetivo de Aristide seria desestabilizar o governo provisório, que tem planos de promover eleições em 2005. Aristide nega envolvimento na violência. A atual convulsão começou em 30 de setembro, quando a polícia teria aberto fogo contra manifestantes que participavam de um protesto para exigir o retorno de Aristide.

Agencia Estado,

29 Outubro 2004 | 16h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.