AFP PHOTO
AFP PHOTO

Visita de inspetores a Duma é adiada em razão de disparos durante investigação de grupo da ONU

Embaixador da Síria havia dito que a Opaq iniciaria seu trabalho na cidade síria se a equipe de segurança das Nações Unidas considerasse a situação adequada no local

O Estado de S.Paulo

18 Abril 2018 | 08h42
Atualizado 18 Abril 2018 | 12h54

HAIA - Uma visita de inspetores internacionais da Organização para Proibição de Armas Químicas (Opaq) ao local de um suposto ataque químico na cidade síria de Duma foi adiada em razão de disparos durante a investigação de uma equipe de segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) na terça-feira 17, disseram fontes à agência de notícias Reuters

+ França atacará Síria novamente se país voltar a usar armas químicas, adverte ministro

+ Investigadores da Organização para a Proibição das Armas Químicas chegam a Duma

"Ontem houve disparos contra uma equipe de segurança das Nações Unidas durante uma missão de reconhecimento em Duma", afirmou uma das fontes. "Ninguém ficou ferido e todos voltaram a Damasco."

+ Imprensa síria faz retratação e diz que ataque em Homs não aconteceu

+ EUA acusam Rússia de mudar cenário de ataque químico, mas adiam sanções

A equipe de segurança da ONU entrou em Duma para avaliar a situação antes de uma visita de inspetores da Opaq, segundo as fontes, que foram informadas sobre a missão do grupo. Uma delas disse que foi encontrada "uma situação" incluindo troca de fogo, que levou ao adiamento da missão, mas não forneceu mais detalhes.

O embaixador da Síria na ONU havia dito na terça-feira que a equipe da Opaq iniciaria seu trabalho em Duma nesta quarta-feira, 18, se o grupo das Nações Unidas considerasse a situação adequada no local.

Separadamente, uma fonte da ONU disse que os inspetores da Opaq provavelmente não irão a Duma. Ela não deu detalhes sobre os disparos no local.

O suposto ataque químico de 7 de abril matou dezenas de pessoas na cidade síria, de acordo com organizações de ajuda humanitária. O incidente levou os grupos rebeldes que controlavam Duma a entregar o controle da cidade ao governo sírio.

Síria e Rússia alegam que o ataque foi forjado como um pretexto para justificar as ações militares que foram lançadas no sábado por EUA, Reino Unido e França. / REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.